Pular para o conteúdo principal

Dia de Feira

A feira é um bem público. Um local de identidade de um povo.
Existem nas feiras muitas simbologias que representam as pessoas que habitam naquela região ou recorte geográfico.
Esse meu lado povão sempre me fez gostar de feiras e consequentemente tudo que nelas tem: frutas, verduras, legumes, hortaliças, carnes, peixes, farinhas, embutidos, bebidas, remédios caseiros, “lambedores” e tudo o mais.
Além de tudo isso, tem as pessoas e os costumes.
Os vendedores com seus dialetos para chamar freguês, seus descontos, sua freguesia de todo dia, os aposentados que vêem da feira uma terapia, as donas de casa que pechincham, os bêbados que alegram e enfeitam os banquinhos [feira sem eles, não são legais!], os pedintes, enfim, a feira é uma profusão de cores, sabores e gente.

Na sexta passada, fui à feira tomar umas biritas. A Feira da Praia Grande, no coração do Centro Histórico de São Luís. Eu não, nós: eu, o namoradão, Edu, Augusto e Wendel.
Verdade verdadeira fomos inicialmente eu, o namoradão e Augusto. Só pra conversarmos três assuntos rápidos e profissionais. Coisa de duas cervejas...
Em meio àquele cenário frugal, mas inspirador, liguei para Edu que não demorou dois minutos e já estava participando alegremente da rodinha, assim como Wendel.
As coisas ficaram brabas lá pelas sete da noite quando completamos uma grade. Bom, o resto, as fotos abaixo falam por si.

Vejam só.


Tiragosto as 13h: bife acebolado.

13 é um bom número...

21 também.
Sempre gostei de números primos...

com a chegada de Edu, sempre rola uma piadinha boa...

Dá até pra engasgar

um brinde ao acaso

Foto especial para o bloguito!

Uma farofa com "mexido" de camarão foi a segunda refeição

Augusto e sua conversa nada medíocre.
A Danusa manda!!!!

Augusto e Wendel
Repararam os panos de prato estendidos lá atrás?
É, a feira não é pra todo mundo...

Quanto ao número 24, não tenho nada a declarar, só que prefiro os ímpares...
Talvez por isso tenhamos tomado mais três ainda na feira e depois mais três em outro bar...

Feira é assim, sem muitas opções para não te deixar confuso

É claro que ficamos amigos de Celia, a dona do boteco.
Cerveja gelada que custa R$ 3,00. Justo!



A feira da Praia Grande foge do modelo dos mercados turísticos do País. Ainda conserva as características simples, rústicas e muito populares de um mercado.
Precisa urgente de reforma, de adaptações, melhorias e estrutura mínima de higiene, mas ao mesmo tempo, reune pessoas, causos e personagens únicos da cidade.

Comentários

Anônimo disse…
é muita cara de pau da dona deste blog, por causa destas 25 cervejas de 600 ml cada, foi cancelado neste dia a sua importantissima presença em um evento já agendado há muitos dias, mas td bem....
Ah, desculpa amore. Estou agorinha escrevendo uma cartinha para os envolvidos nessa falha gravíssima!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,