Pular para o conteúdo principal

Um sábado Grená

Disputando uma vaga na 2ª fase da série A3, o Juventus, time da Mooca, faz o maior sucesso com a “italianada” de São Paulo.

No último sábado fui ao estádio na Rua Javari ver o “moleque travesso” dar uns dribles e foi muito divertido!

Tudo estava grená: as pessoas, as paredes, a comida e o clima!

O almoço é sempre na Esfiha Juventus, tradicional esfiharia próxima ao estádio, que lógico, estava tomada de torcedores apaixonados. Todo mundo vestindo um uniforme grená que dava pra ver de longe. Um burburinho bom de apreciar e bom de estar dentro, garanto!

Dentro do estádio, a torcida organizada faz a festa e sem ela nenhum jogo seria tão divertido. O Juventus jogou contra o Red Bull Brasil (Isso é nome de time? Francamente!) e empatou. Os juventinos saíram um tantinho conformados, afinal empatou com o melhor time da série.

Há muitas curiosidades em estádios de futebol. Há uma cultura desenvolvida ao longo dos anos só para aquele ambiente.

As mulheres, por exemplo, continuam sendo um número ínfimo e quando sim, estão acompanhando os namorados, maridos ou foram levar os filhotes pra pegar o gosto pela coisa. Vi cada criaturinha linda de camiseta com o “Jotão” bem no meio do peito. Uma delícia!

Ainda vendo esses pigmeus de uniforme, percebi que os pais ensinam os palavrões do estádio e até os gestos com as mãos. As mães são responsáveis pelas bebidas e comidinhas. Engraçadíssimo! Também é muito comum a presença de idosos e com a alegria em seus rostos, ainda é um programa muito saudável para todos.
Não importa a idade, o peso, o sexo ou a orientação sexual dos presentes, todos no intervalo correm pra cima de um senhorzinho careca com um isopor cheinho de um doce fritinho recheado de creme e salpicado com açúcar. O nome da iguaria é Canole. É um doce italiano tradicional em São Paulo.

Um loucura tentar comprar esse doce! Sugiro que faça como nós: espere recomeçar a partida e quando todos retornam aos seus lugares, vá comprar seu docinho sem ser empurrado. Vai ser melhor degustá-lo assim. Achei uma delícia, mas a dieta (antipática!) não permitiu repetir!

Os apaixonados por canole levam de meia dúzia ou mais pras suas casas. Faz parte da comedoria de estádio, mas apenas, desse estádio!

A tarde correu solta, leve e divertida como uma festa de amigos e a coisa era melhorada nos tiros de meta, onde a torcida da casa tem um bordão engraçadíssimo, pena não poder escrever aqui, porque a coisa perde o efeito. Tem que ser falado!

Adorei o programa e indico!

Ah, se torço pelo Juventus? Não, não... aprecio futebol e quase tudo que nele está envolvido!




Eu, registrando minha passagem pela Javari

Com os ingressos na mão, dá pra ir almoçar...

Burburinho na entrada do estádio

Na chegada, dá logo pra ver a torcida organizada fazendo barulho

Ficamos desse ladinho, ao fundo do gol do juventus

Olha os amigos do namoradão aí!

Programão de sábado, heim?

Não se enganem, não foi foto errada, lá no meinho está Seu Antonio vendendo canoles

Esse aí é Seu Antonio

E eu, experimentando o famoso canole

Um pouquinho depois do Gol!

Lances do jogo...

Comentários

Paulinha disse…
Não baste ser namorada e cumprir com as obrigações "maritais"...tem que ir assistir ao jogos com o namoradão. Mas é melhor ver o time do namoradão do que o VICE DA GAMA, sorry, o vasco da gama. huahauhauhauhauhau

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…