Pular para o conteúdo principal

Princesinha do mar

                                               
Copacabana poderia se emancipar. Ter legislação própria.
Começa pela simbologia do bairro para o mundo, que é única. Depois pelas caracterísitcas, que nenhumm outro bairro tem por aqui. Nem Santa Tereza, nem Lapa e nem o chique Leblon. Vejam que não estou entrando no delicado assunto "favelas", ok?
Sim, voltando. Copacabana  é  o bairro com maior número de velhos do Brasil, com o maior número de cachorrinhos com roupinhas e sapatinhos, garotas e travestis de programa por metro quadrado e consequentemente o maior número de gringos. Só aí já tenho quatro bons motivos pra fazer a emancipação da princesinha do mar.
Saí às 17h para "almoçar" e fiquei percebendo tudo. A frenética movimentação do bairro e essas características citadas acima. Os velhos, sinceramente, não tinha percebido (antes) o quanto são feios. Hoje vi um monte de velho feio, impressionante! As garotas, os travecos e os gringos estão muito bem, obrigada e a vida vai rolando...
Os cariocas, é uma pena, tem muito preconceito com o bairro e com o que ele se transformou, transferindo a chave da cidade para o Leblon, que também tem vida própria, mas que não tem o glamour internaiconal de Copa.
A Barra tem cara de Miami e só agrada os pauterizados iguais a ela. Também consegue viver bem sem Copacabana, mas essa alma só se encontra aqui, nesse bairro, com esse calçadão e com essa praia.
Estou hospedada pela segunda vez na região "creme de la creme da ralé" de Copa, já na entrada do Leme, mas não me importo com isso. Caminhando três quadras estou no Copacabana Pálace e vê-lo parece que a vida faz mais sentido.
Não pude andar muito. Minhas pernas não me abedeciam ou meu cérebro em comunhão com as pernas entrou em greve. Mal pude andar, mal pude visitar as lojinhas queridas da região. Fiquei parada lendo um tempão e isso foi suficiente pra ter várias ideias, várias vontades e muita pressa.
Amanhã tenho reunião lá na puta que pariu, leia-se Barra da Tijuca, e tenho que sair cedo. Saio sexta pra São Paulo e minha mala está com crise de identidade pois cada dia abro uma camada de roupas diferente. A última é um pouco mais pesada, já que em São Paulo tá um pouquinho mais frio.
Desisti da comida mexicana por pura preguiça. Resolvi num self service pela Avenida N. Sra de Copacabana mesmo.

Quebradinha do meu hotel para Copa. Hoje não fez sol, ficou o dia todo nublado.

Me diz se não vale a pena viver?


Meu quiosque preferido!

Parei numa lanchonete pra por créditos nos celulares e o atendente ficou me olhando parado por uns 2 segundos. Quase pergunto pra ele o que era em tom de briga, quando ele me disse todo envergonhado que sou a "CARA" da Catherine Zeta Jones no filme do Zorro (cof cof cof), principalmente com o vestidão que eu estava. Morri de rir, agradeci e tô me achando, embora com uns quilos a mais!
Foi o suficiente pra eu vir pro hotel toda toda hehe!

Pobre é bicho besta, né?

Comentários

Anônimo disse…
oi
bom gosto do atendente.
excelente comparação.
beijos
França
maria faz bolo disse…
oi,amore.
tu devias ter passado um autógrafo pra ele.kkkkkk.
bjos.
Anônimo disse…
Trabalho?? Bobagem esquece isso vc está em Copa, não pra ficar racionalizando muito, rrrsrsrs
bjs, Josi
Lorena disse…
Biiia, adoro viajar aki no PC, vendo suas fotos e percepções...vc é ótima!!!! Lugares lindos tb!!!
Kkkkkkkkkkk agora tô me achando a própria Catherine Zeta Jones. era só o que faltava mesmo.
Essa do autógrafo foi boa!
Josi na hora não racionalizei muito não. Me permiti! rsrs bjs
Lorena, sempre carinhosa... muito obrigada! Volte sempre.
Cyca adorei esse nome!!!!
Cadê a logo??? Amei!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…