Pular para o conteúdo principal

Eu criança e a Semana santa!

Quando eu era criança, gostava mais ou menos de Semana Santa!

O que adiantava ficar em casa na quinta e na sexta se não dava pra pular, dançar, gritar ou correr (as coisas mais bacanas de fazer quando se é criança)?

Bastava começar o feriado que a monotonia vinha junto! Botar um disco do Balão Mágico ou do Trem da Alegria? Jamé! Aumentar a TV quando o Bozo cantava a música “chuveiro, chuveiro, não faz assim comigo...”? Na na ni na não! Brincar de bambolê ou de “elástico”, de “esconde-esconde” ou “rouba bandeira”? Não, não e não, falava mamãe a toda hora. E completava: Faz mal!

Passei a infância me perguntando pra que servia aquele feriado imenso se não dava pra fazer nada em grande parte do tempo e o pior: o ovo de chocolate, só no domingo!

Tudo bem, tinha o sábado de aleluia pra tirar o atraso, mas esses dois dias com ordens expressas do céu para se ficar quietinho não me agradava não!

Se você tem entre 25 e 35 anos sabe do que estou falando. Em homenagem à ressurreição de Jesus, tínhamos que ficar em silêncio e sem peraltices. Se não desse pra agüentar, a surra viria, mas no sábado (ainda bem)!

O sábado de aleluia chegava com sua energia e colorido e trazia junto ovos de chocolate e os coelhinhos como personagens principais, que para mim era o diferencial, pois fim de semana pra criança é tudo igual. Não tem escola e está tudo certo!

Era um silêncio impressionante e sempre passava um filme com tema bíblico. Agora me digam se esses ingredientes não são pra entediar qualquer criança?

Com o tempo mamãe sabiamente começou a me mandar pro interior e aí é que o feriado fazia sentido! Além de tudo que já falei, em Humberto de Campos eu ainda tinha que assistir a “Paixão de Cristo” encenada pelos artistas de lá, pode?

Porque fazem isso com as crianças, heim? Eu até hoje não consigo assistir nenhuma outra encenação por puro trauma!

Trauma eu também tenho porque ninguém mais troca nada na Semana Santa. Lembro bem dos pratinhos de peixes, frutos do mar, tortas, bolos e pudins chegando em minha casa e mamãe e vovó fazendo outros pra mandar pra vizinhança. Era tão bacana isso... Tenho uma vizinha que sabe o que vamos ter pra almoçar na sexta-feira, então ela manda um pedacinho de qualquer iguaria em troca de um potinho de vatapá. Acho que é a única que ainda faz isso! Tudo é uma delícia.

Pelas bandas do interior, trocar alimentos ainda é comum, embora com menos intensidade. Esse momento tem uma simbologia muito grande para os católicos e representa união, confraternização, fartura e fertilidade. Tudo o que queremos para o resto do ano e para a vida!

Sempre acordei cedo e no domingo de Páscoa, dada tamanha euforia, acordava mais cedo de olho nos chocolates. O dia era mais doce e alegre. Os brinquedinhos de dentro do ovo passavam o resto do ano jogados por todos os lados porque não eram úteis pra nada, assim como os papeis que embrulham os ovos que mamãe insistia em guardar. Até hoje ela não sabe pra quê!

A antiga ordem do céu foi revogada e atualmente a Semana Santa nada mais é que um dos maiores feriados do ano e altíssima estação para o Turismo. É o filé das viagens de curta permanência e as viagens regionais bombam em todos os lugares. Nada de ficar em silêncio ou reverenciando os céus! A badalação do sábado de aleluia já foi antecipada para a sexta e a cidade tem vasta programação cultural para esse dia e como não estou aqui para discutir isso, faça como eu: agradeça a Deus por tudo que ele tem proporcionado e caia na gandaia, ou melhor, em puro ócio, viagem e gastronomia!!!!



Até a próxima!

Comentários

Dona Karen disse…
Ei sempre gostei da semana santa, por ser catolica, por causa do feriado, por causa da familia e por causa das comidas!

Agora me diz tu não tomava benção aos teus parentes??? no interior então é sagrado.
E malhar judas.... eita boa infancia!
Meu Deus, esqueci da malhação de judas!!!!!!!!!!!
Nossa, eu adorava.....
Não acontece mais que até esqueci.... poxa vida. Deixa pra próxima amore, mas obrigada por lembrar...
Sobre bênção, é clarooooo!!! Até hoje!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…