Pular para o conteúdo principal

O início do ano e o carnaval

Essa do carnaval ser em um ano em fevereiro e no outro ser em março é uma complicação. Você nunca sabe ao certo quando o ano vai iniciar de fato!
Ano passado não foi tão no começo de fevereiro, mas mal senti o hiato do Réveillon até a folia momesca.
Esse ano até que as coisas melhoraram um tantinho, já que está dando para sentir a excitação do pré-carnaval.
O pré-carnaval, como o nome já diz, antecede a festa, mas é tão importante quanto! Eu, por exemplo, adoro esse tempo entre a virada do ano e o carnaval. Parece um universo paralelo.
O ano já virou e você tem novos projetos, mas de fato, vai executá-los somente após a quarta-feira de cinzas, quicá após o “lava-pratos” (domingo seguinte).
Nesse período você vive em modo slow, as ruas estão vazias em função das férias escolares, há vagas nos estacionamentos, as festas na cidade tem outro brilho e lá no fundinho você não está levando a vida tão a sério.
Sério mesmo, só depois do carnaval!
No “pré” você se permite ir à praia, comer um pouco mais, dormir mais tarde, dá pra ir ao salão e fazer disso um programão e claro, planejar o seu tão desejado e alegre carnaval!
Os mais afoitos e com energia sobrando, logo partem para destinos cuja folia é o principal mote.
Os que desejam descansar ou curtir a família ou “a dois” rumam para lugares preguiçosos onde a natureza é a protagonista.
A democracia turística permite que o país todo se beneficie com as diferentes motivações dos viajantes e sabendo fazer a coisa, todo mundo sai ganhando: turista, comunidade, cidade e folião.
O carnaval é o período mais mundano que existe e é exatamente quando ele acontece que você extravasa tudo para poder iniciar uma nova fase. A fase da vida real e levada a sério.
A folia de carnaval tem um “quê” de faz-de-conta incrível e por isso tem esse encanto que move as pessoas. Dá pra se fantasiar, dá pra tomar um porre, dá pra gritar, dá pra dançar, sorrir, beijar, fazer amor, pular e expurgar tudo aquilo que ficou guardado do ano que passou.

Ano passado fui para uma cidade nada carnavalesca (Quer saber por onde andei? Aqui ó )e passei quatro dias tomando umas geladas e sequer ouvi uma marchinha de carnaval. À noite, os jornais se encarregavam de me lembrar qual era o dia do ano e qual bumbum fez mais sucesso Brasil a fora.

Esse ano estou em total clima de folia e escolhi Pernambuco para “cansar’, já que pela tradição do lugar e pela minha vontade, tenho noventa e seis horas para exorcizar todas as energias ruins e maus fluidos de dentro de mim e voltar novinha em folha, para de fato, iniciar o ano novo, mas como ainda estou em pré-carnaval, vou tratar de não levar a vida tão a sério até lá.



E seja qual for a sua escolha, aproveite que o ano novo vem aí!



Até a próxima!



Jornal Cazumbá, fev/2010

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,