quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Até 2011

Bom  ociosos, este é o último post de 2010.

Viajo para São Luís daqui a pouco e ainda tenho que terminar de fazer a mala, sempre um exercício de paciência, inteligência e agonia para mim.

A maioria das vezes saio perdendo nessa batalha e a mala sai maior do que eu gostaria. Preciso realmente me desprender de muitos cosméticos e acessórios, mas ainda não consegui. 
Meta para 2011!
Foi um ano um tanto obtuso, como vocês puderam acompanhar, mas a cada desafio que partilho com vocês, me sinto mais forte (principalmente quando vocês deixam um alento, uma sugestão ou crítica) e acabo aprendendo muito.
Estarei de recesso até o dia 03 de janeiro e assim que voltar, muitas novidades, inclusive com drops do que pretendo ainda fazer com esse bloguito à partir do próximo ano.
Desejo tudo de bom a todos que acompanham as peripécias diárias e também àqueles que aparecem de vez em quando.
Estou muito emocionada em estar escrevendo por mais um ano aqui e aproveito para deixar registrado mais uma vez o meu super obrigada.
Obrigada pela força, pela curiosidade, pelo amor, pela companhia e por acreditar, assim como eu, em um mundo melhor.
Que em 2011 possamos estar juntos ainda mais!
Até a volta.


Pra deixar essa despedida mais bacanona, seguem algumas fotos do Natal na Paulista.
Ontem toda a avenida estava completamente tomada de gente, carros, barulho e luzes. 
Luzes, luzes e luzes!


Prédio do Bradesco. De hora em hora (como a telesena) tem apresentações de corais.
Muito lindo.

Trianon todo iluminado...

Feliz

Como um raio, as luzes iluminam tudo.

Itau Personalité natalino.
A parte mais cheia da Paulista.

E o trânsito?
Parado, claro!

Palco da virada. Por enquanto, natalino.

Tumulto

Ówunnnnn

Ah, jantar de hoje: salada de agrião, palmito e tomate, lagarto recheado, salada de beringela e um pedacinho de pernil pra cagar com a dieta, hehe


quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Assim é o Natal

Acho a véspera de Natal engraçada, mas não necessariamente divertida!
Gosto muito pela união das pessoas, por conseguir resgatar o povo da família, pelos tios que não vemos ao longo do ano.
Mas lembrar da ceia, das orações da vovó e de aguentar papis e a namorada querendo ir embora de táxi é dose...
Este ano ainda terá um agravante mais que chato: - "Tá mais gordinha, né?" Sei que vou ouvir frases como essa ou similares a noite toda. Tenho que me preparar (=saco!).
A ceia de todo ano também me deixa meio entediada. Você não?
Sempre me pergunto porque mamis não é nada criativa nesse aspecto...
Peru, tender, vatapá, o arroz com passas, a farofa e as tortas genuinamente maranhenses estarão lá, tenho certeza!
A Rabanada então...
Após a meia-noite a coisa vai caindo, caindo e o Natal vai perdendo adeptos à noite para ganhar no almoço seguinte.
O que sobra vira o almoço do dia seguinte, com o agravante de que está todo mundo de ressaca, ressaca, ressaca (lembrei da marchinha de carnaval heheh).
Esse ano meu Natal vai estar embalado com muita saudade e muitas perguntas. Já tem gente agendando conversa, estou até confusa. É afilhada querendo contar "causos", irmã querendo tirar dúvidas, vó querendo saber da vida de casada, pai contanto das politicagens nada convencionais do Maranhão, padrinho contando da metrópole Humberto de Campos e por aí vai...
Lendo agora sobre a greve dos aeroviários, chego a ter frio na espinha. Posso não chegar  em casa a tempo de ver tudo isso...

Oxalá

Desde o dia 20 estou usando pelo menos uma peça branca de roupa em homenagem a oxalá, meu orixá.
Penso que branco ilumina, traz energia e também a paz.
Não vejo branco como uma coisa morna, com pombinha e um anjo tocando harpa... Branco é claridade, luz e batucada.
Preciso de muita luz e muita energia para começar o ano novo.
Assim como esse, não terei um ano fácil.
Será um ano decisivo onde vou definir muita coisa que quero no futuro. Estou com muita fé e também muito feliz.
Um feliz diferente, com sabor de quero mais...

Oxalá que dê tudo certo.

Bom dia!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Vontade

Vontade de estar saindo agora de mochila nas costas sem passagem de retorno com previsão de volta após o carnaval.
Chinelinho, calças folgadas, camiseta e moletom.
Na mochila, coisas simples e úteis, incluindo dois bons livros.

Convívio

A vida é uma dádiva mesmo.
Ao longo de toda ela você aprende e isso é muito bacana.
Dos aprendizados que mais acho interessante, considero o convívio, um desafio.
O conviver com outras pessoas, com a família, com o universo ao nosso redor... tudo é desafiador.
Como descobrir uma pessoa do bem? Como identificar dentre tantas outras, uma que te emana energia positiva?
Como ter a bênção de cair em uma maravilhosa família e como ter a sorte grande de trabalhar com pessoas legais?
No mínimo difícil.
Sorte é a combinação de circunstâncias positivas que fazem de você o que você é. São as pessoas do seu convívio que mostrarão para você a forma como agir e como seguir a vida.
É preciso ter cuidado, é claro, para ter o discernimento e saber que o caminho apontado por todos é o melhor.
Sempre tive cuidado com isso. Agora então...
Atualmente, é preciso estar alerta. No trabalho, aprendo a cada dia mais. Pessoas e pessoas e pessoas.
O Yin e o Yan estão juntos e não dá pra vacilar nenhum minuto...

Bom dia!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

"Só no ano que vem"

Quase tudo que pretendo fazer, penso que pode ser em 2011;
Algumas providências de trabalho podem ser deixadas para janeiro;
As grandes decisões só serão tomadas no ano novo;
E assim, vou seguindo com meu clima de "só no ano que vem"...

Ausente

Dia difícil.
Tenho reuniões de encerramento de ano o dia todo.
Não esperem minha humilde presença ao longo do dia neste recinto.
Volto em breve.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Essa é a história que contarei para meus filhos um dia!_ Por Catarina Adamo*


Como começar um texto quando uma amiga querida nos dá a chance de falar sobre um dos maiores momentos da minha vida (até agora)?
Vou começar dizendo que cresci ouvindo música “de gente grande”, e apesar de todas as influências sofridas por todos nós durante a adolescência, é da “música de gente grande” que gosto. Nessa classificação costumo colocar Beatles (sempre número 1 da lista), Bee Gees, Cazuza, Caetano, Beatles e...Beatles.

O gosto pelos meninos de Liverpool foi herdado de meu pai, que até já teve uma banda quando adolescente. Mas o que importa aqui é que felizmente eu tive a chance de ir ao show de Paul McCartney nesse último domingo (21/11/10).

Essa é, portanto, a história que um dia contarei para meus filhos, netos, e todos aqueles que puxarem o gosto musical da família Adamo (porque meu tio e prima também são grandes fãs).
Devo confessar que quase desisti de ir ao show quando soube o valor dos ingressos e depois quando não consegui efetuar a compra pelo site. Mas felizmente minha amiga Ciça fez várias super compras pelo site de ingressos e me revendeu duas meias-entradas da cadeira cativa inferior. O que isso significava para mim, leiga de estádio e de shows? Absolutamente nada, só sei que me soou bom porque era bem caro!

Cheque assinado, ingressos comprados e só me restou esperar até que Ciça me entregasse as tão sonhadas entradas. Claro que um show não é simplesmente algumas horas de fila e tumulto, eu tinha que comprar uma camiseta temática para homenagear meu querido Sir Paul. E lá fui eu, em um sábado chuvoso, até a galeria do Rock, no centro de São Paulo. Cerca de duas semanas depois, os ingressos me foram entregues na sexta feira, dia 19/11/10.


Somente no sábado, dia 20, comecei a me preocupar sobre como faríamos para chegar ao estádio do Morumbi, que é bem longe da Mooca. Sem nenhuma resposta, eu e Igor fomos dormir tarde no sábado, mas com relógio para despertar.
Depois de um almoço reforçado e comprinhas de guloseimas para levarmos na mochila para dentro do Morumbi, partimos rumo à Av. Dr. Arnaldo, 500 onde supostamente pegaríamos um ônibus até a rua do estádio. Claro que não foi bem assim, o ônibus não passava e acabamos rachando um taxi com uma moça de Londrina e seu irmão, que mora por aqui.
A fila estava homérica, andamos para cima e para baixo perguntando sobre a fila até que, finalmente, encontrei o último casal da fila para entrada pelo portão 17. Atrás de nós uma família de Recife, com quem fizemos amizade e passei 1h30min deliciando o sotaque dos três. Um pouco mais a frente, na fila para entrada pelo portão da Pista Prime, havia um grupo de rapazes cantando as canções dos Beatles (e nenhuma da carreira solo do Sir Paul).



Quando os portões finalmente começaram a abrir, a fila para o portão 16 (que estava na nossa direita) começou a andar primeiro, e o pessoal que até então era muito animado e amigo começou a enfrentar problemas de “relacionamento”. O empurra foi leve, mas o bate boca foi pesado. Pouco depois nossa fila andou, e passamos para a fila da revista. A PM estava checando nossos pertences e não podíamos entrar com latas, garrafas e máquina profissionais. Ao nosso lado era a entrada da imprensa, então tive a chance de tirar uma foto do Zeca Camargo, que é bem maior do que eu pensava. E bem mais grisalho.


Nesse momento meu coração já estava disparado. Apesar de faltar 4 longas horas para início do show, eu precisava encontrar um bom lugar para ficar, e só assim eu ia relaxar. E felizmente foi assim! Sentamos na terceira fileira das cadeiras cativas, ninguém que ficasse em pé na minha frente me atrapalharia, ninguém me encostava e empurrava, o palco estava claro na minha frente e eu enxergava os microfones, então tinha certeza que seria capaz de distinguir os músicos quando o show começasse!




Lá pelas 21h25 o palco já estava aceso, as luzes tinham sido testadas, as saídas de emergências nos tinham sido apresentadas e a multidão estava em pé, olhando fixamente para o palco, pois a qualquer momento o grande astro poderia surgir. Por volta de 21h40 ele surgiu! Vestindo seu blazer azul claro com seus suspensórios escondidos, o grande evento do ano começou.



Foi ao som de “Venus and Mars/Rock Show” que ele entrou. A gritaria foi geral, todo mundo cantando e Paul se emocionando antes de pegar fôlego para nos entreter por duas horas seguidas sem intervalo, e sem nem sequer um gole d’água.



Bom, diversas vezes Paul McCartney deixou de lado a língua mãe Britânica e falou no nosso bom português. O plural e a concordância estavam impecáveis, e as frases já decoradas eram “Boa noite” “São Paulo” “Bonito”, que foram repetidas algumas vezes sem o uso da cola que estava fixada no chão do palco.



Eu conhecia todas as músicas cantadas e fiz vários vídeos. Tirei no total 392 fotos, e confesso que em 3 momentos foi impossível segurar as lágrimas:
O primeiro deles foi quando Paul disse na nossa língua “Essa música, eu escrevi para meu amigo John”. A música “Here today” fez muita gente se emocionar não só pela homenagem proferida antes da melodia, mas pela mensagem e letra da música. O segundo momento foi algum tempo depois, quando a frase “Essa música é uma homenagem para meu amigo George” foi pronunciada com a mesma perfeição que a da primeira homenagem. Nesse momento, a escolha foi “Something”, e fotos de George Harrison apareceram no telão ao fundo do palco. O terceiro momento de grande emoção eu não sei explicar, mas foi ao som de “Blackbird” que passou pela minha cabeça algo como “Nossa, eu vim, ele tá ali e é fantástico”.


Outra homenagem foi feita quando Paul dedicou uma música a todos os casais presentes quando disse “Essa música eu escrevi para minha gatinha Linda, mas hoje ela é para todos os namorados”, com tamanha perfeição que parecia que ele estava estudando o português por mais de um ano. E a melodia, para que ainda não sabe, é “My Love”.



Por diversos momentos Paul interagiu com a plateia, nos aquecendo com gritos e frases para cantarmos com ele. Vimos reboladinhas, dancinha do baterista ao som de “Dance Tonight” e tombo (ou será que foi proposital) de um guitarrista.


Mas não foi só o astro da noite que fez surpresas para nós. O público havia combinado algumas homenagens para surpreendermos o cantor. Entre elas, a música “She loves you” teria sua letra alterada para “We Love you”, porém, como ele não cantou esta canção, fizemos a homenagem sem fundo musical, somente para que ele soubesse que tivemos essa intenção. A resposta dele? “It’s very beautiful. I Love you”. Outra homenagem foi a chuva de balões brancos durante a música “Give Peace a chance”, em que a platéia balançou balões brancos. Isso sem contar que a cada minuto sem músicas e sem brincadeiras do ex-Beatle, a multidão gritava “Paul, Paul, Paul” em ritmo frenético.

Antes do primeiro intervalo (que aconteceu mais de duas horas depois do início do show), “Hey Jude” foi tocada com muito calor por parte de todos. Como é uma música consideravelmente longa, em comparação com as outras, Sir McCartney resolveu dar corda pedindo para que primeiro só os homens cantassem, depois só as mulheres e, por fim, todos juntos. O pedido foi, mais uma vez, em português e nós, claro, obedecemos com muito prazer. O intervalo foi feito rapidamente e o público continuou a cantar até que o Sir de Liverpool entrou novamente carregando a bandeira do Brasil ao lado da bandeira da Grã-Bretanha, causando euforia em todos.

“Sgt. Pepper's lonely hearts club band” foi a música escolhida para encerrar de vez o show, depois de dois intervalor curtos e todas as emoções descritas. O agradecimento “a minha banda fantástica” e o “agora vamos embora” deixou claro que aquele era mesmo o fim.
Nunca tinha ido a um show, estou deslumbrante com o que vi e posso dizer que valeu cada centavo, cada minuto de espera e de curtição. Espero que ele volte, e que não leve mais tombos (que eu não filmei).

“Paul, we love you yeah, yeah, yeah”

______________________________________
*Catarina Adamo é graduada em Letras e Pós Graduada em Tradução. Mesmo com uns dias de atraso, dada a magnitude do evento, achei válido postar.
Vamos diariamente juntas para o trabalho. Nunca pensei em fazer uma amiga na parada de ônibus, mas como a vida é cheia de surpresas....

Sobre sexta

Fiz tudo quase certo na sexta.
Tive um café leve, tomei um suquinho de melancia como lanche da manhã, comi saladinha e um carboidrato no almoço, suco de abacaxi de lanche da tarde e fui malhar.
Cheguei em casa, comi 5 palitinhos recheados de fodi com toda a dieta...

sábado, 18 de dezembro de 2010

Sábado pré-natal

São Paulo é uma cidade que acorda tarde aos finais de semana. É comum ver pessoas tomando café quando já estamos tomando a segunda cervejinha do sábado.
Quase ninguém faz almoço e as padocas e restaurantes faturam bem nesse dia, muito mais que o domingo ou qualquer dia da semana.
As filas duram até as 16h no mínimo.
Como ainda estou em fase de conhecer a cidade, sempre utilizamos os sábados para resolver alguma coisa doméstica e depois dar uma passada num barzinho ou programinha especial.
Aos poucos vou credenciando os melhores para o futuro "Guia São Paulo para maranhenses" hehe.
Hoje saímos (11h) para resolver as últimas pendengas pré-natal. Estava tudo muito cheio e a chuva não deu trégua. Estou agora com a garganta inflamada, resfriada e com a voz sensual...
Paramos num boteco diferente (pra quatro chopinhos e dois sanduiches rápidos) que fica perto do Bar Léo, boteco famosíssimo da cidade, pois desistimos só de ver a muvuca.
O Del Mare fiica a 100 metros e resolveu muito bem nossas necessidades do momento.

Italo me esperando buscar as coisas que esqueci no ap.
Sempre esqueço alguma coisa...

Também quis desejar Feliz Ano Novo do jeito mambembe desse bloguito...

Tudo isso, no meio do boteco...

Acho muito interessante a ideia que o povo tem de que boteco é coisa de homem, embora não seja.
No Del Mare, o caderno de esporte fica no banheiro masculino assim, aberto. 
Engraçadíssimo e funcional, eu diria.
Mas o mais legal é ver as manchetes coladinhas ao lado, tipo um twitter pré-histórico. Adorei!
Pena no banheiro feminino não ter nem catálogo de perfumaria ou o encarte de um supermercado...

Chegando em casa, ainda deu pra tirar essa fotinho.
Estou passsando a gostar desse cenário...

Marido até tirando um cochilo, deseja um ano novo bem bacanão. 

E enquanto isso na sala de justiça, estou eu arrumando as flores do apzito.

Janela de fundo do apzito com um belo por do sol

Desejo do fundo do coração, muita saúde em 2011 para você que está lendo esse modesto, mas sincero e humilde bloguito.



Que o ano novo traga muitos bons fluidos e seja um ano de doação, paz e alegria.
Mesmo quando tudo está aparentemente de ponta cabeça...

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Pode sim, pode sim...

Fiz duas porções de lanchinhos hoje. Uma para cada parte do casal.
Dois damascos, duas castanhas do Pará, quatro castanhas de caju, duas nozes e duas castanhas chilenas.
Essa é quase a dose diária de oleaginosas que o corpo precisa.
Mesmo contra os damascos e comendo porque eu obriguei, marido mandou torpedo agora: "da próxima vez pode ser só um damasco?"

Desde 1808

"Era uma corte cara, perdulária e voraz. Em 1820, ano anterior ao retorno a Portugal, consumia 513 galinhas, frangos, pombos e perus e 90 dúzias de ovos por dia. Eram quase 200.000 aves e 33.000 dúzias de ovos por ano, que custavam cerca de 900 contos de réis ou quase 50 milhões de reais em dinheiro atual. A demanda era tão grande que, por ordem do administrador da Ucharia Real, a repartição responsável pelos depósitos de comida da corte, todas as galinhas à venda no Rio de Janeiro deveriam ser, prioritariamente, compradas por agentes do rei. A decisão provocou escassez dessas penosas no mercado e revolta nos moradores da cidade. Numa carta a D. João VI, eles reclamaram da falta de galinhas e também do comportamento dos funcionários da despensa real, que passaram a vendê-las no mercado paralelo, cobrando sobrepreço".


Como se vê, tudo igual até hoje...


*Trecho do Livro 1808 de Laurentino Gomes. Comecei a ler semana passada e a cada dia, mais curiosidade sinto...

"ao Deus dará"

Último final de semana antes do natal...
Vou rever a família e os meus amigos mais sinceros.
Estou com muita saudade.
Muita mesmo.
Final de semana chegando e sempre acordo com astral bom quando sei que no dia seguinte posso ficar "ao Deus dará".
A programação do final de semana está calma e simples. Nada de grandes estripulias.
Estou cansada e muito sem grana, mas mesmo nessas condições, com muita fé em Deus.
Amém.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Cobertor

Cobertor, cobertura, cobrir.
Proteger, abrigar, agasalhar.

Todas as noites e todas as manhãs o amor levanta e me envolve num pano quentinho.

Sinto-me protegida, aninhada, sossegada e feliz.
Pra completar o ritual, tasca-me um beijo igualmente quente e amoroso.

Impagável.

Da série "Pílulas de amor"

Viaje legal

Final de ano. Vai viajar?
Acho bom dar uma lida no site Viaje legal para se preparar pra porrada que vem por aí....

Boa Viagem!

Esclarecimento

Só pra esclarecer, porque muitos me perguntaram ontem e hoje.
Sim, devolvi a criancinha para o colo de Santo Antônio...
Estamos quites heim, Tonico?

Companhia Aérea. Falta de respeito é seu nome!

As companhias aéreas fazem o que querem da gente desde que a aviação comercial bombou no mundo e isso foi logo após a segunda guerra mundial.
De lá pra cá a coisa só tem piorado pro lado do viajante e melhorado para as companhias, nunca vi igual!
Inundam o mundo com a democratização da passagem aérea criando low costs e tirando o glamour dos aviões para chegar a essa altura e estarmos como umas bestas diante de uma ponte.
Ameças de aeroviários já era de se esperar; passagens caríssimas também, filas intermináveis não são mais novidade, mas ser expulso de avião eu ainda não tinha ouvido falar.
Minha amiga Mamá embarcou com atraso ontem por culpa da Gol e depois de estar 30 minutos dentro do avião respirando aquele ar contaminado e sentada naquelas cadeiras apertadas, a tripulação informa que aquela equipe já tinha extrapolado as horas de vôos semanais e pediu delicadamente que todos se retirassem da aeronave para aguardar uma nova tripulação chegar e tomar o comando da situação.
Fui dormir as 23h e a pobrezinha ainda estava no saguão do aeroporto. Um horror!
Isso é palhaçada, brincadeira ou falta de respeito mesmo?
Fico indignada com as companhias aéreas.
Quase sempre!

Transtorno

Chuva e chuva que não acaba mais.
Todo mundo tirando casacos, botas e echarpes do armário.
Um transtorno.
As pessoas reclamam que a cidade para e que não está preparada para as chuvas e que todo ano é igual e tal...
Penso comigo mesma como uma cidade como essa pode estar preparada para a chuva... Com essa estrutura, com esse mundaréu de gente... tsc tsc.
Cheguei no escritório as 10h, mas sou a única que moro a léguas do trabalho.
Os outros, sabidinhos, estão em Pinheiros.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Rumo a 2011

Tão pensando o que?
Vamos já tratando de fazer um 2011 mais animado e cheinho de viagens.
Não quero saber de moleza não!
Esse bloguito aqui não vai parar. Vai aproveitar o máximo que puder e claro, contar pra todo mundo o que tá aprontando.
Vi no blog Vambora a tabelinha de feriados nacionais para o ano que vem e tô colocando aqui.
Vambora?

Chiquetê

Essa dica é especial para Lu e Dudu (casal chiquetê, mon dier), que irão a Paris no próximo ano.
O Blog Conexão Paris tem dicas ótimas... Começem a desvendar o incrível mundo da cidade mais visitada do mundo e claro, com o compromisso de atualizar o blog durante a viagem.
Ô, atualizar esse blog aqui, não o de Paris!

História linda

Soube de uma história muito triste (e linda) e passei a admirar a pessoa muito mais do que admirava antes.
Essa pessoa passou por um momento de profunda dor em sua vida e tirou forças para continuar e a escrever sobre isso.
"Como assim escrever, se a cada frase triste se chora?", pensei.
É preciso muita nobreza, muita força e muita fé em Deus para se continuar vivendo após um acontecimento tão traumático e ainda escrever dia a dia sobre seus fantasmas e suas glórias.
Estou tão, tão curiosa para ler o livro que não paro de pensar nisso. A minha curiosidade não resiste e vai lendo pílulas em seu blog para ir minimizando a abelhudice, que me é peculiar...
Cris Guerra criou esse Blog desde 2007 para falar dessa história de amor e aproveitou seu jeito estiloso para montar outro, que é muito divertido de ver.
Fica a dica.

Carta resposta do Panetone da Rosana


Agora fiquei me sentindo o penetone... tô confusa!!!
_________________________________________
Talvez você tenha lido a carta de despedida que escrevi para o Panetone de Natal. Pois a Mariza deixou um comentário expressando seu desejo de conhecer a resposta do Panetone para mim. Não poderia frustrar o pedido da querida leitora, por isso, publico a carta-resposta do Panetone para mim:
Cara Rosana,
Antes de mais nada, muito obrigado. Não é sempre que tenho a oportunidade de me manifestar em público.
Primeiramente quero dizer que, como bem observou sua leitora Luma, o que engorda não é o que você ingere entre o Natal e o Ano Novo, mas tudo o que você come entre o Ano Novo e o Natal, portanto já começo aqui minha defesa.
Sou um panetone fofo, honesto, digno e correto. Estou dentro do prazo de validade e, sobretudo, fui dado a você como presente. Portanto, não seja ingrata com quem me ofereceu a você. Além disso, sou nutritivo, saboroso e, como você não há de negar, gero muito prazer para quem sabe me apreciar.E se você não que queria desde o começo, deveria ter me doado para alguém que tem fome. Sem querer ser grosseiro com meus amigos legumes, você pisou na jaca.
Sei que você nutre grande admiração por mim e que sua intenção de me deixar está muito mais ligada a sua incapacidade de administrar seu peso do que a qualquer tipo de insatisfação comigo. Quanto a isso, não há nada que eu possa fazer. Sou apenas um panetone. Não posso atuar como seu personal trainer, nem seu nutricionista, massagista ou psicólogo.
Sinto muito pela sua decisão. Sei que ainda vamos nos encontrar em outra ocasião, porque conheço os seres humanos e sei que assim como minha massa é mole, a carna é fraca. Você ainda vai ter uma recaída.Não encare isso como uma praga, mas como uma constatação de uma criatura que entende muito das tentações do Natal.
De qualquer forma, quero agradecer os bons momentos que passamos juntos. Quero também, outrossim, defender as frutas cristalizadas, pequenos pedacinhos coloridos cheios de boas intenções que em nada ofendem o fino paladar do consumidor.
Acho que você está carente. Se eu tivesse bracinhos, daria um abraço em você.
Por enquanto, feliz Natal.
do seu sempre,
Panetone

Blog da Rosana aqui!

Piores da TV em 2010

Bom demais ler essas coisas.
Ainda bem que tem gente que trabalha com isso e nos lembra dos piores da Tv. Eu não lembraria...
Aqui

Beberagens

Gosto desse termo.
Acho bem regional e me remete também a bebidas que fogem do tradicional.
Incluo nesse coletivo os "lambedores" (infusões com ervas, mel e limão que nossas avós curavam nossas tosses e gripes), chás e "vinhos" de frutas típicas do Norte e Nordeste como buriti, bacaba, juçara, dentre outros, além, é claro, das bebidas alcóolicas, sucos de frutas e afins.
No apzito tem sempre um "negocinho" rolando...
Uma das bebidas que sempre tem por lá é Campari, porque como o marido (cof cof cof) vive dizendo: "Só ele é assim".


Para estabilizar a serpentina e dar uma energizada no estômago, cansado de tanta cerveja da noite anterior, precisamos de uma dose no domingo.

Essa coqueteleira veio de brinde na última garrafa que compramos.
Bonitinha, né?
Tem a marcação para vários drinks com as quantidades de insumos.

Esse drink tem campari, soda e suco de limão.
Bastou, pro estômago dizer: "Estou prontinho para outra" hehehe

Domingão foi dia de beberagens diferentes lá por casa.
Comprei essa Itubaína retrô pra decorar a cozinha e claro, achei por aqui uma autêntica Cajuína.
Adoro! Aprendi a gostar em Parnaíba e foi maravilhoso relembrar seu sabor.
Tem bastante ácido fólico, que é bom pra moçoilas na casa dos 30...
Bebi e lembrei do Piauí na hora... Delícia!

Detalhes dos rótulos.

O Campari é uma bebida considerada Bitter, ou seja, uma categoria muito especial na alta gastronomia.
Quer saber mais sobre isso?
Aqui

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Carta ao Panetone por Rosana Hermann

Gente, como adoro o jeito inteligente que a Rosana Hermann escreve.
Me senti escrevendo para o panetone, que este ano, só passou pela minha linda boquinha duas poucas vezes e não mais chegará perto, assim como ela afirma.
_______________________________________



Querido Panetone,
Estou aqui pertinho de você. Eu me sinto o Britto Jr. dizendo pra Janaína: "calma, eu estou aqui". Não tenha medo, Panetone, nada de ruim vai acontecer, nem pra você nem pra mim.
Eu te amo, é verdade. Amo cada mordida em sua constituição doce. Mas não podemos viver assim. Eu, cortando você em pedaços e você me engordando sem parar. Quando o amor deixa o casal infeliz é hora de parar. Amor não é sofrimento.
Vamos continuar amigos, mas cada um na sua. Não vou mais comer você, beliscar você. Parei com esse bullying. De agora em diante vamos viver cordialmente, mas sem pegação.
Mesmo porque, apesar da sua massa macia e suave, tem aquelas frutinhas cristalizadas de toda relação, aqueles  detalhes que relevamos e que acabam destruindo o relacionamento.
Estou abrindo mão de você, panetone, por um mundo melhor. Acredite, vai ser melhor pra nós dois. Você fica com sua integridade e eu, com minha cintura.
A vida é dura, mas todo dia é dia de aprender a abrir mão de um pequeno prazer passageiro, em nome da saúde de um ano inteiro.
Não pense que sou ingrata. Continuarei olhando você com ternura e desejo, mas sabendo que já não nos pertencemos mais. Respeito sua posição vertical, sempre ereta e apetitosa, imponente, elegantemente vestido em suas vestes marrons e seu sobretudo de celofane decorado, sob seu chapéu da caixa amarelada. Mas acabou.
Adeus, Panetone.
Foi doce, foi bom, mas deixou marcas que agora a blusa comprida precisa encobrir.
E pra arrancar você de mim, vou ao Pilates correndo.
Na chuva.
Ah, as dores do amor glutão!

Santo Antonio

Deus do céu!
Já devia ter devolvido o filhinho do Santo Antônio... Ele ainda está de castigo tentando me arrumar um marido.
Oh God!
É hoje!

Inquietação

Estou inquieta.
Na verdade, sou. Sempre fui.
Mal estou terminando uma coisa e já quero outra.
Por isso muitas vezes tenho que refazer as coisas. Retrabalho é o nome disso.
Estou fazendo uma coisa com a cabeça em outras tantas. Não consigo parar a mente.
Não consigo parar de ter vontades e desejos.
Final de ano é assim mesmo. Sempre rola uma reflexão e avaliação de tudo que se fez.
Estou com o ano quebrado. Parte dele estava no Maranhão e a outra parte aqui. Me sinto confusa.
Fiz tudo que devia fazer lá ou ainda falta muita coisa? Quando vou poder fazer?
E aqui?
Vontade de desbravar a cidade e as coisas boas, mas ainda não sei andar por ela, ainda não a conheço...
Inquietação.
Simples assim.

Sim e Não

Sim, eu não suporto estar "cheinha"!
Não, eu não tenho conseguido emagrecer.
Sim, tenho tentado.
Não, não estou exagerando.
Sim, quero perder alguns quilos.
Não, não quero ficar anoréxica.
Sim, quero ficar elegante.
Não, não estou me sentindo bem com isso.
Sim, dá pra esperar mais uns três meses pra ver o resultado?

Vamos adotar um vovô ou vovó?

Darcy é minha querida e eterna professora de inglês.
Tem um dom especial para ajudar as pessoas mais carentes, incrível.
Todo ano lança uma campanha e graças a Deus, sempre consegue angariar fundos para levar o vovôs e as criancinhas para lugares bacanas. Já levou as meninas do Lar de José para o shopping, para o cinema, para o parque e para os vários hotéis da cidade para tomar café. Um barato...
Este ano a campanha dos vovôs está aqui embaixo. Dessa vez, está atendendo os três principais lares de idosos que existem em São Luís.
Participe!
Adote um vovô e faça desse Natal um momento especial para eles...


NOSSA CAMPANHA DE NATAL

Faremos a segunda edição da campanha ADOTE UM VOVÔ / ADOTE UMA VOVÓ e já estamos contando com você.

Este ano o presente para eles (  KIT VOVÔ / VOVÓ ) será OU um lençol OU novamente uma toalha de banho MAIS um talco OU leite de colônia OU sabonete.   

São no total 71 ( setenta e um) idosos que vivem nos três lares para idosos de São Luís.
Sendo 28 moradores do ASILO DE MENDICIDADE no São Francisco; 26 moradores do SOLAR DO OUTONO na Cohab e 17 idosas que vivem na 
ASSOCIAÇÃO DAS VOLUNTÁRIAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE  DE PAULO, no João Paulo.

Assim como em 2009, tenho certeza que vamos conseguir KITS para todos os 71 idosos.
Peço que cada um traga seu KIT embrulhado em papel ou saco de presente.
Todos os KITS serão entregues diretamente para os velhinhos, com identificação - seu nome e o nome do idoso ( coloque seu nome ). Tenho em mãos, a sua disposição,  a lista com os nomes de todos os idosos com suas respectivas idades e datas de nascimento. Precisaremos de ajuda para o dia da entrega. E aguardamos seu  KIT até o dia da nossa confraternização.
E meus amigos que moram longe ou que moram perto mas não tem tempo para comprar o KIT, se quiserem novamente colaborar com a campanha é só depositar na conta citada abaixo,  R$ 15,00 ou R$ 20,00 ; quantia suficiente para comprar uma toalha de banho + um talco ou um leite de colônia.
Por favor  avisem por e-mail sobre o depósito.


BANCO DO BRASIL 
Agência 2954-8 / Conta Corrente 11.091-4 / Darcy F Sousa

Contamos com sua S
Red heartLIDARIEDADE !!!   Obrigada,

DarcyFerreira

Esperar o que vem hoje

Não adianta ter dor de barriga. Agende a danada para mais tarde.
Não adianta ter pressa pra chegar em casa.
Não dá pra marcar uma programação depois do expediente se for próximo de casa, por exemplo...
De qualquer jeito, você vai demorar a chegar em casa.
Com chuva então...
Saí no meu horário de operário e as ruas estavam travadas como em filme de Hollywood. A qualquer momento sentia que o Tom Cruise ia aparecer pendurado num helicóptero salvando todo mundo numa missão impossível.
Não dava pra entrar nos ônibus.
O metrô estava lento.
O táxi parecia a melhor solução, embora nem tão boa assim...
Passei 40 minutos pra achar um e mais 1:15 pra chegar em casa.
Sabe o que foi pior: paguei uma fortuna!
Algum amigo vai ficar sem presente. Vou logo avisando hehehe.
Agora é esperar o que temos hoje ao final da tarde...

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Reencontro

Falei muitão com Heloisa, amiga que está morando em Curitiba e trabalhou comigo no Convention em São Luís.
Compartilhamos alguns mesmos problemas;
Ela falou mal dos curitibanos e eu dos paulistanos;
Reclamamos do clima e do gelo que são esses povos;
Esculhambamos os transportes públicos;
Enfim, trocamos experiências domésticas e de casal moderno.
Adorei.
Gostei muito de trabalhar com ela. Somos parecidas em algumas coisas e aprendemos muito uma com a outra.
Bem legal reencontrar assim, ela lá e eu aqui...
Agora a chuva não tem mais fim;
Vou chegar em casa depois das 21h.
Coisas de São Paulo!

Bom dia!

Mais uma segundona graça a Deus.
O clima tá esquisito e nem chove e nem faz sol. Dia meio sem personalidade...
Nessa mesma linha, segue o mês de dezembro, que já começa a instituir a atmosfera de boas festas. Parece que ninguém leva mais nada a sério e no trabalho o telefone não toca, os e-mails não chegam e nada mais decisivo acontece.
Na outra semana então.... não quero nem lembrar.
Aproveito e agradeço as mensagens, torpedos e telefonemas de congratulações sobre o casório_parte 1. Gostei de terem lembrado de mim e de desejarem felicidades.
E é claro que perdoo também aqueles que falaram de arrependimento, de monotonia, da crise dos 7 anos e de todas as pragas que chegam juntas com o dito cujo.
O bom disso tudo é que tem sempre gente casando, procurando marido e/ou mulher e gente feliz. Amém.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Casamento


Alianças. Ouro branco, amarelo e vermelho.

Ówunnnnnnn

Reza a lenda que tem que ter.

Flores brancas na casa toda.
Descobri que adoro flores brancas. 

Mesinha simples. Pães, sanduiches e queijos

Bem casados e brownies

Frutas secas e castanhas
Banheiro preparado para os visitantes

Mais flores brancas...
E o clima foi esse: tudo simples e descontraído.