Pular para o conteúdo principal

Comidinhas de Natal


Não há nada mais parecido com Natal que rabanada. Não, não é o peru! O peru para mim é um mero coadjuvante que só consta em nossa ceia por causa dos membros mais conservadores da família! Peru tem a carne meio adocicada e demora horas pra assar. Na minha leiga opinião, uma iguaria difícil de fazer. Não, não sou “de toda amiga do peru de Natal”!


Comidinhas de ceia de natal tem a mesma cara e o mesmo cheiro desde que “me entendo por gente”. Melhor que saber a cara e o cheiro é ter a certeza que você vai almoçar no dia seguinte o que sobrou. Não tem jeito!

Não se sabe ao certo a origem da rabanada. O fato é que desembarcou no Brasil com os portugueses (as matronas descobriram um destino para as sobras de pão) e se tornou uma tradição na ceia de Natal. É feita à base de pão envolvido por uma crosta de açúcar e canela. É daqueles pratos que você ama ou odeia!

É de minha inteira responsabilidade nos natais da minha família. O cheiro de canela se espalhando pela casa é algo encantador. É típica do Natal e disputa com o peru e o salpicão o centro das mesas da maioria dos maranhenses.

A velha farofa e o arroz com passas também são figurinhas fáceis de encontrar, assim como as aves assadas e/ou guisadas (por acaso, no “Manual das Ceias de Natal”, tem um capítulo obrigando as pessoas a preferirem as aves no Natal?).

O Natal é um evento totalmente gastronômico em que o principal objetivo é a ceia e as comilanças em geral. Passa-se o dia inteiro na cozinha preparando tudo para que à meia noite todos possam degustar e, na maioria das vezes, dormir na sequência, pois não há corpo que aguente tamanha batalha!

Nos últimos tempos o peru tem tido a concorrência do Chester e do Fiesta e sai perdendo por causa do preço muito mais elevado. Esses dois citados agora, a propósito, são aves da novíssima geração gastronômica, já que nunca ninguém viu nenhum dos dois ciscando por aí pelos quintais.

Na pirâmide social dos galináceos, estão acima da galinha e abaixo do peru e faisão, aves nobres e cheias de glamour.

As saladas sempre aparecem e nessa categoria a “maionese” tira o primeiro lugar. Basta ir, por exemplo, ao vizinho, que lá vem alguém com um punhadinho no prato. Esta, para o dia seguinte não é uma boa pedida.

Reza-se o pai-nosso, a ave-maria e estoura-se um espumante barato quando não, uma cidra. Quanto mais alto for o estouro, mais felizes todos ficam e assim a ceia de natal vai ficando ali ao lado sem ninguém comer mais nada. Só vamos lembrar dela na hora de guardar tudo para o almoço do dia seguinte, quiçá para o jantar...

As minhas rabanadas sempre sobram e se transformam na sobremesa mais disputada do dia 25. Há quem diga que rabanada boa mesmo é “dormida”, quando fica mais macia e molhadinha. Nesse quesito os natais mais tradicionais são cheios de pudins, mousses e sorvetes.

E a noite de Natal vai acontecendo. Muitas cervejas consumidas e quando mal nos damos conta, lá chegou o Reveillon e a ceia da virada não é lá muito importante.

Importante mesmo é a festa e o primeiro grito de carnaval, em que há uma regra muito clara: pode-se comer de tudo, menos aves, pois ciscam pra trás e nada nesse mundo pode influenciar no pensamento para um ano melhor.

E para você que acompanha mês a mês as minhas peripécias por aqui, muito obrigada por sua companhia. Desejo um ano novo repleto de coisas boas, cheio de ócio, viagens e gastronomia!

Para fazer seu Natal mais gostoso, vamos à receita da rabanada:

Ingredientes

30 fatias de pão dormido (baguete, massa grossa ou o próprio pra rabanada);

01 l de leite líquido;

01 lata de leite condensado;

01 kg de açúcar;

100 gr de canela em pó;

01 l de óleo para fritar;

06 ovos batidos (não precisa ser em clara).

Modo de fazer

Adoce o leite com leite condensado e reserve. Disponha as fatias de pão numa travessa e “regue” com o leite. Deixe descansar uns 20 min. Vire se necessário para molhar mais um pouco.
Bata os ovos e reserve. Misture num recipiente grande o açúcar e a canela e reserve.
Passe as fatias de pão molhadas no ovo e frite em óleo bem quente virando o pão para dourar de um lado e outro. A fritura é bem rápida. Ao tirar o pão da frigideira, passe pelo açúcar e canela e deixe descansar em papel toalha por uns 20 min.
Arrume em uma travessa e coloque num lugar de destaque na mesa do Natal!

 
Arroto:
Tudo bem, tudo bem, era pra postar antes do Natal...
Jornal Cazumbá, dez/2009

Comentários

Igor Movie disse…
Gente eu ententi mal ou prometeram um kit de natal para os seguidores desse blog....
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Bjos....
Igor Movie disse…
By the way,adorei ter mandado um pouquinho da ceia pra mim.
Bjosss....
Bia ja te passei o e-mail para o hotmail.
O uol voltou!

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,