Pular para o conteúdo principal

Frutas, frutas, frutas!!!

Coluna ócio, viagens e gastronomia no Cazumbá deste mês:



As frutas são perfumadas e saborosas, nutritivas e viscosas. Como não se render ao aroma de um maracujá maduro ou mesmo de uma tangerina perfumando todo o ambiente?
As frutas são importantes alimentos que a natureza nos dá de presente todos os dias. Ajudam a limpar o organismo e são responsáveis por uma digestão mais eficiente. Chegam a ser um pouco independentes, já que carregam suas próprias enzimas e por isso digerem-se sozinhas. São indicadas para antes do almoço ou para quando o estômago está vazio.
Juntamente com as carnes, cereais, ervas, leguminosas e verduras formam parte da linhagem cultural de uma região. São de um modo geral um recorte da cultura de um povo e por isso são tão importantes no processo de identidade e autoestima dos que ali residem e causam curiosidade nos que ali chegam.
Os hábitos alimentares de um povo misturam-se ao seu modo de falar, de dançar, ao seu modo de vida e causam atratividade, movimentando grandes fluxos turísticos.
Como chegar em nosso Estado e não saber o que se come por aqui? As respostas a essa freqüente pergunta se transformam em grandes viagens gastronômicas e deixam boas lembranças palatinas.
As frutas originariamente maranhenses são difíceis de serem catalogadas, já que nos misturamos com a Região Norte de uma tal forma que é muito difícil saber se o abricó nasceu no Maranhão ou no Pará! Assim como o abricó, fruto instigante marrom por fora e laranja por dentro, temos o cupuaçu e o bacuri. Ambos estão na Região Norte e de forma marcante no Maranhão, Estado que assume feições nortistas em grande parte de seu território. A confusão é tanta, que para a maioria dos ludovicenses a dupla “cupu-bacuri” é o exemplo mais clássico de nossas frutas maranhenses.
O açaí para nós é Jussara e está nas duas regiões com igual importância. O sapoti já se apresenta no Nordeste e é encontrado com relativa facilidade também em Alagoas, Ceará e Paraíba. Particularmente, uma das minhas frutas preferidas.
Na contramão da história, nós maranhenses deixamos de lado o que nos é típico e absorvemos hábitos de outras regiões com a desculpa de que isso é “a evolução dos tempos”. Não compreendo muito bem esse abandono, já que somos feitos de lembranças vindas diretamente de hábitos bem maranhenses, embora tenhamos evoluído junto com os tempos. Essa essência é a nossa melhor parte!
Lembro bem de um sorvete de jenipapo que minha mãe fazia com leite condensado e creme de leite que adoçava as minhas tardes de domingo quando criança. Hoje em dia ainda vejo vender na Praia Grande, mas nunca vi ninguém daqui (maranhense) comprar!
Ainda nessa época (infância), descobri pitanga e até hoje, quando posso, me lambuzo no seu doce e azedo. E o murici? Que frutinha mais adorada! Ninguém consegue comer apenas um. O correto é encher a mão e ir cuspindo o caroço depois de bem limpinho. O suco é muito raro hoje em dia e lamento a cada vez que procuro num restaurante e só me oferecem em troca, acerola, laranja, goiaba ou morango. O murici tem um perfume marcante e é para pessoas também marcantes.
No município de origem da minha família (Humberto de Campos), posso garantir que as frutas não devem nada a nenhuma outra região. Só lá encontro pirunga, mirim, guajiru, puçá, bacaba e jatobá. Você por acaso conhece alguma dessas? A pirunga está quase em extinção, mas é uma delícia pequenina, redondinha e doce. Deixa a língua azulada e denuncia rapidamente quem acabou de se esbaldar. O mirim parece muito com a pirunga sendo um pouco mais leitoso e carnudo. O jatobá e a bacaba são ótimos como “vinho” e com um punhado de farinha e uma colher de açúcar substituem um belo almoço. Conhecido como “tiquara”, tem no buriti um concorrente forte.
As frutas ainda podem se transformar em compotas, doces cristalizados, pastas, geléias ou mesmo uma boa salada de frutas que regada com refrigerante Jesus é imbatível. Se achar que estou inventando, sugiro experimentar. Garanto que nunca experimentou nada igual!
Quer apostar?

Comentários

Dona Karen disse…
Bia, to sem tempo para os devidos comentários, mas confesso que te leio todo dia!!!! mesmo rapidinho... ah adoro murici..suco, sorvete...e outro dia achei no supermercado a polpa pro suco...
Esse final de semana tem uma sobremesa no programa facinho, facinho...
cheiro
Anônimo disse…
Olá "meu pov" qnt temp...nossa parece q o blog já é um pedacinho d vc né... ñ vou dá nem cnta de ler os post atrasados...mas de vez enquand estarei por aqui rsrs.
Sucesso p/ o cazumbá!! Sejam bem vidas as frutas!!!

BEIJOS SAUDS!!!!!
Anônimo disse…
Olá "meu pov" qnt temp...nossa parece q o blog já é um pedacinho d vc né... ñ vou dá nem cnta de ler os post atrasados...mas de vez enquand estarei por aqui rsrs.
Sucesso p/ o cazumbá!! Sejam bem vidas as frutas!!!

BEIJOS SAUDS!!!!!

wynaiara
Anônimo disse…
good points and the details are more precise than somewhere else, thanks.

- Norman

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…