Pular para o conteúdo principal

A dor e a delícia de viajar...


Viajar causa uma transformação em nossas vidas. Viajando você consegue renovar-se, estabelecer uma nova relação com o mundo, transformar-se!
Enquanto você viaja, o seu mundo fica diferente. Fica tudo azul de bolinha cor de rosa, travestido de alegria, curiosidade e satisfação.
Mas quem foi que disse que viajar é só pegar a mochila e sair por aí? Uma viagem requer muito tempo, preparação, disponibilidade e paixão. A fase anterior ao embarque e o momento de volta ao lugar de origem também marcam o seu roteiro turístico e as três fases da viagem juntas compõem um dos maiores desejos dos povos da terra: conhecer lugares, culturas e povos com hábitos diferentes dos seus.
As fases da viagem estão aqui denominadas por mim de “pré”, “trans” e “pós” viagem. Vamos a cada uma delas?


1) A “Pré-viagem”
Aqui você decide que vai viajar. Vê uma propaganda, escuta algum comentário estimulante ou realiza um sonho antigo. O fato de viajar já entra em sua vida revolucionando seu sono, seus pensamentos e o dia-a-dia.
Acessar a net facilita saber sobre os detalhes, os recantos e a programação local. A partir daqui, muda-se o figurino, o cabelo e até um check up entra no check list pessoal de cada um. São meses, semanas e dias recheados de ansiedade, desejo e correria pra ficar tudo pronto.
Há aqueles que dizem que a pré-viagem é até mais excitante. Você geralmente gasta mais tempo nas preparações do que no lugar visitado e essa preparação é fundamental para o sucesso da sua viagem.
Checar os horários de saída, de chegada, se a memória da máquina é suficiente, a previsão meteorológica, confirmar as reservas no hotel e os passeios são itens essenciais, pois um desses dando errado ou não se realizando a contento, as suas lembranças já ficarão manchadas e sua viagem não será plena.


2) A Trans-viagem
Eis que chega o dia e você acaba de lembrar que esqueceu de uma coisinha. É sempre assim. A viagem mexe tanto com você que ao se aproximar o dia “V”, o seu cérebro só pensa em estar no lugar escolhido, não mais com os detalhes da bagagem. Perfeitamente perdoável esse lapso!

Ver de perto todos os atrativos do destino dão a sensação de felicidade plena. Tudo é festa e alegria. Todo detalhe é digno de uma foto. Os momentos são comemorados e você acaba pecando algumas vezes por excesso de programação. Volta pro hotel exausto, mas feliz por estar aproveitando todos os segundos da sua viagem.
Os verbos dormir e descansar são abolidos completamente do seu vocabulário e você conta os dias pra ficar mais naquela vida.
Os pormenores locais como as comidas típicas, o modo de vida, o sotaque e a forma de se vestir das pessoas do lugar compõem as suas lembranças. Você experimenta de tudo e assim o intercâmbio de culturas e gestos vão sendo trocados e embebedando a sua mente.
Ah, viajar... Privilégio de poucos hoje em dia. No Brasil por exemplo, uma estatística não oficial afirma que menos de 10% dos brasileiros pode realizar tal façanha. Quase 75% da nação ainda não conseguiu entrar num avião e com o tamanho continental do nosso País, essa estatística pode ter sim fundamento. Viajar ainda garante um status interessante perante a sociedade e para muitos, se alguém “é viajado” é porque é culto, tem muita vivência e pode ensinar aos outros.
Trazer “lembrancinhas” do lugar visitado garante na memória a chama da viagem. Mesmo depois de bastante tempo, rever o souvenir traz as cores e o cheiro do lugar.
Saber que a viagem está acabando também revoluciona o pensamento e a saudade dos pontos visitados é sentimento constante. A mala agora tem mais peso, a camiseta de volta traz estampada um dos atrativos visitados e a ansiedade se transforma em saudade de casa.


3) A Pós-viagem
O cheiro do seu lugar de origem só ele tem. O céu também. Voltar pra casa te dá segurança e racionalidade.
A vontade de dormir em sua cama apaga por alguns momentos as lembranças da viagem e você fica feliz por estar de volta são e salvo.
É hora de distribuir presentinhos, mostrar fotos, reunir os amigos para contar tudo e lembrar com melancolia.
Desarrumar a mala é a parte mais dolorida, já que embora você esteja descansado mentalmente, o que você quer mesmo é falar do seu aprendizado e gritar para o mundo que você viajou.
Uma viagem desintoxica a vida e renova as esperanças, mas a vida vai aos poucos voltando à sua dinâmica e você se conformando com o seu dia-a-dia.
Passado um tempo, a fase da pré-viagem está de volta à sua vida, graças a Deus...

Comentários

Bia aquela mensagem que te mandei é e Martha medeiros, autora de livros como Strip-Tease, Meia noite e um quarto, Persona non grata entre outros.Ela é ótima.
Amei, mas não tinha teu numero gravado no celular claro... poxa, adorei!!! Obrigada meu bem!!!
Dadá disse…
ah! Italo, presta atenção tem nego de olho nesta fotinha! mas fica calma é Zé Maria e Walbinho tu ñ corre risco nenhum. kkkkkk bjus
Dadá
Rê Marques disse…
Esse texto é uma delícia. Amanhã, ele fica com a indicação do post da semana lá no Inda Vou Lá!

Bjinhos!
Reis Junior disse…
Realmente esse texto tá muito gostoso e verdadeiro... conseguiu demonstrar todas as sensações que nós, viajantes, sentimos. =)))
Rê Marques indicou e disse...

Abraço e sucesso...
Cathy disse…
Eu odeio o pós-viagem! Desarrumar mala é desanimador, sem contar que significa que aquilo do pré-viagem passou voando!
Que minha europa chegue logo, mas demore pra acabar enquanto eu estiver por lá!
Se eu não voltar, deixo meu novo endereço e você me visita, e acrescenta um tópico nesse texto sobre a escolha de ficar!
Beijos e adorei o texto, como sempre.
Diva disse…
Nossa!!! que texto maravilhoso...é impressionante, realmente sentimos tudo isso, mas jamais conseguiria expressar com tanta sensibilidade e clareza... Parabéns!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…