Pular para o conteúdo principal

Melancia - por Ricardo Freire

Já falei que adoro o Ricardo Freire, né? Falei também que quando eu creser quero ser igual a ele, não?
Vejam por quê.
"Minha nova dieta chegou ontem por e-mail. E, conforme eu temia, os cardápios das próximas oito semanas não prevêem nem sequer um naco de melancia.
Antes que você pergunte de onde possa ter vindo essa dieta, eu digo: de uma ótima nutricionista, de carne e osso, que consultei uma semana antes, e que compõe os cardápios caso a caso (e sem remédio). Por isso a demora – e o e-mail.
Estou arrasado. Jamais pensei que um dia fossem me proibir de comer melancia. Depois de três décadas e meia entrando e saindo de dietas, eu imaginava que melancia fosse o alimento perfeito. Bem – talvez seja por isso que eu tenha passado esse tempo todo entrando e saindo de dietas.
Sei que não estou sozinho. Se você googlar a palavra “melancia” e a expressão “pouco calórica” vão aparecer centenas de resultados, de fontes idôneas e respeitáveis. Senhor, o que foi que eu fiz para não poder comer nem melancia? (Está bem. Eu sei o que eu fiz. Pulemos de parágrafo.)
Quem diria que uma, perdão, curcubitácea pudesse ser tão doce? Melancia é gostosa em todas as línguas. “Sandía” em espanhol. “Pastèque” em francês. “Cocomero” em italiano. E “slurpt nham nham” em boca cheia.
Melancia é rica em fibras. Não tem conservantes. Não leva gás. Não tem bicho que nem a goiaba. Sua casca não fere feito a do abacaxi. Pode enfiar o pé nela, que você não fica com ressaca.
Melancia não mudou de grafia com a reforma ortográfica. Tampouco precisou se fundir com nenhuma outra fruta por causa da crise. Melancia não está no Cade. A Sadia não passou os últimos vinte anos dizendo que a melancia da Perdigão não prestava nem a pau. Ao contrário do Unibanco, ela nunca disse por aí que nem parecia melancia.
E no entanto, aqui estou eu, sem poder transferir para a melancia a compulsão que até outro dia eu dirigia aos pudins de leite condensado e aos mil-folhas de padaria (dormidos, de preferência).
Sim, a essas alturas eu já entendi que é exatamente esse o propósito. Passei da idade da reeducação alimentar. Agora o caso é de reformatação do HD.
Devo esquecer o beabá que eu pensava que sabia sobre tudo o que engorda e o que emagrece. Quem manda agora são os alimentos funcionais. Descobri que, mesmo nos regimes que eu fiz, eu só comia comida “disfuncional”.
Não chores por mim, melancia. Se algum dia nos reencontrarmos, quem sabe eu também esteja gostoso".
Ricardo Freire, Estadão de hoje.

Comentários

Dona Karen disse…
Massa! ADOREI...
vEM CÁ O BLOG TA DE CARA NOVA, NÉ!?
bem tropicália...minha linda, eu estava ausente só do meu teclado, mas sou tão viciada no teu blog, que mesmo chegando cansada milhões, eu ainda arrumava um jeitinho de ler teus post's...sou fã de carteirinha...
bjos
Nathalya disse…
Adorei..Bia.olha! como é bom ser aluno...que apreende cada vez mais...beojos!te dolo!

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,