terça-feira, 30 de junho de 2009

Memória Adolescente

Acabei de receber inúmeros e-mails parabenizando o texto que falo da minha adolescência. Embora seja enorme, resolvi publicar aqui.
Estou muito feliz com tamanha repercussão. Obrigada Família Carneiro!
Aí está ele.
__________________________________________________________
Coluna ócio, viagens e gastronomia - Jornal Cazumbá de maio.
Bastava chegar o São João para eu poder sentir o gosto das minhas férias nas mãos.
O São João em si não me animava tanto naquela época! Adolescente tem dessas coisas. Acha a cultura regional piegas e prefere importar hábitos e costumes.
O que me animava mesmo, contrariando o costume adolescente dos meus amigos, era a possibilidade de ir para o interior e passar o mês de julho inteirinho livre das amarras da cidade, com os pés no chão, sem horário pra almoçar nem tampouco dormir. As minhas férias tinham um cenário bucólico, com cheiro de maresia e música da Legião Urbana.
A preparação das férias se dava com a preamar, já que para chegar a Miritiba a viagem era longa e dependendo da maré, a lancha tinha saídas desde as 17h até as 04h da manhã.
A saída era do Porto do Barbosa em São José de Ribamar e devido a isso, minha relação com aquela cidade balneária sempre foi muito próxima. O Porto não nos oferecia muita coisa, somente era o elo entre a minha vida urbana e a minha vida de sonhos.
O Iate Duas Nações, nosso transporte oficial, era grande, tinha uma lotação máxima de 300 pessoas, mas cabia 350, fácil, fácil. O emaranhado de redes armadas dava a ideia de uma grande teia que deixava o clima bem familiar. Além das redes, isopores com todo tipo de mantimento, assim como caixões (isso mesmo que você leu!), material para construção, botijões de gás, móveis e tudo o mais que sua imaginação permitir, disputavam conosco um espaço dentro daquele transporte, que afinal de contas, era o único meio de levar algo ao isolado Município.
Chegávamos cedo em São José de Ribamar para podermos armar as redes na lancha e assim garantir o sono, não tranqüilo, mas possível. O “frito” ia na lata de leite ninho e não há nada nesse mundo que se aproxime do cheiro daquela comida. Mamãe preparava desde cedo e havia até uma certa disputa entre nós viajantes, para saber quem levava o mais gostoso.
Chegada a hora, embarcávamos em canoas com catraeiros zoadentos para só depois subirmos na lancha e iniciarmos a maior aventura do ano: a viagem de travessia da Baía de São José de Ribamar a Humberto de Campos (a antiga Miritiba).
A maresia era tanta que o limão ou a tangerina eram companheiros inseparáveis. A viagem era um misto de aventura e terror, dadas as devidas proporções.
Passada a baía de São José de Ribamar (2 horas aproximadamente), entrávamos na dos Tubarões e por fim na Baía de Sarnambi. Totalizava de 8 a 10 horas, sendo possível até uma aventura de 15 horas, que eu mesma presenciei. As paradas saindo de Ribamar eram “Mamuna”, “Mucunandiba”, “Macacueira” e Primeira Cruz, até chegar nas minhas tão esperadas férias.
Durante a travessia, eram comuns as paradas da lancha para encostarem canoas com gente e muita mercadoria vindos de Cedro, Ilha Grande, Ilha do Gato e outros. Era muito bom ver aquela “arrumação”. Gritaria, gente subindo e entrando ao ritmo das águas e um malabarismo digno de brasileiro, nordestino, pobre e feliz.
A chegada em Humberto de Campos era um acontecimento tanto pra nós, quanto para os humbertoenses que viam naquele movimento o grande ápice da cidade: o Festejo de Nossa Senhora Sant’ana, celebrado por todo o município no mês de julho.
Minha felicidade só era completa quando ao descer da lancha, via logo a minha avó e rainha, à minha espera, toda sorridente e feliz. Ao seu lado sempre tinha um estivador pra retirar nossas bagagens do porão do iate. Era realmente uma tarefa difícil.
Pronto! Estava alinhavado o mês mais feliz da minha adolescência.
Daquele momento até o final do festejo, minha vida era recheada de brincadeiras, sorrisos, pé no chão, banhos de rio, dindin de côco, pastel recheado com farofa de camarão, bolo de tapioca, de massa, cocadas, peixe cozido com caju azedo, peixe assado no fogareiro, pirunga, murici e mirim, leilão, cordão de São Gonçalo, procissão e ladainhas em latim. As louças e as mãos eram lavadas no jirau, a energia apagava as dez da noite e a dormida era embalada com o coaxar dos sapos à luz de lamparina.
A praça era o ponto de encontro mais disputador por nós, assim como o “morro”. As primeiras paqueras foram naqueles ambientes, embora vovó rezasse o terço na minha chegada alertando para os limites da moral: “Nada de ir pro “morro” de noite menina. Aquilo é coisa de mulher da vida!!!” E eu e minhas amigas, ingênuas na época, burlávamos os olhares das nossas avós e acabávamos dando uma escapadinha por lá. Sinceramente, não tinha nada demais.
Não tínhamos nenhuma preocupação ou compromisso, somente o jogo de bola do dia seguinte ou quem sabe um passeio ao Rio Periá.
Na hora de voltar pra cidade, lembro bem da dor que sentia e de chorar muito com saudade de tudo que vivia por lá. Grandes amigos...
Hoje Miritiba chama-se Humberto de Campos, meus amigos cresceram, as lanchas acabaram e chega-se por lá em duas horas e meia por uma estrada boa, a BR-402.
Não é mais uma cidade bucólica, não faz mais friozinho à noite, as crianças não mais brincam de roda e um certo nível de progresso chegou por lá. O leilão na porta da igreja continua sendo freqüentado pelas mesmas pessoas de antes e nós, que crescemos vendo aquilo, mas os adolescentes de hoje, que representam muito para o futuro da cidade não frequentam porque acham piegas e preferem importar hábitos e costumes.
A cidade hoje tem padre e as ladainhas estão escassas. As missas são iguais às da capital. O “morro” por uma ação conjunta naruteza + homem, está sumindo e os banhos de rio já não são mais os mesmos.
Não como mais pastel recheado com farofa porque duvido da sua procedência. Do dindin também! O bolo de tapioca e de massa, graças a Deus, vovó ainda faz, mas cocada não! Pirunga e mirim estão raros. O murici ainda faz fama por lá. A energia não acaba mais as dez e tanto as lamparinas como o urinol, viraram peças de decoração.
E meus amigos adolescentes “da cidade” não entendiam como eu podia trocar 15 dias na Disney pelas minhas férias no interior.
Você entende?

A mulher invisível

Conversando ainda há pouco com meu Diretor sobre o filme "A mulher invisível" foi que me dei conta que nada comentei aqui sobre ele.
É muito divertido e dá pra tirar uns baratos. Selton Melo é o cara. Ele é o filme!
A Luana Piovani está/é insuportavelmente linda e o Brichta tem lá suas graças.
Mas o melhor de tudo é o sonho de consumo de todos os homens: uma mulher linda, sem barriga (aff!!!), loira, que cozinha, dá remedinho, fica em casa dormindo e arruma a casa de calcinha e soutien.
Desses sonhos aí só dá pra realizar uns três...
Ô raiva sô!

Salada


Cheguei em casa com vontade de cozinhar pra relaxar e esquecer as coisinhas que deram errado por hoje...

Resolvi não necessariamente cozinhar, mas fazer uma saladinha refrescante.

Vendo a contabilidade em meu caderninho de calorias, minha salada deu um total de 145 calorias por causa das duas azeitonas e dos camarões!

Não ficou lindona?


Vamos aos ingredientes:
-Duas folhas grandes de alface americana rasgadas bruscamente;
- Um tequinho de queijo branco cortado em cubinhos;
- 4 champignons cortados ao meio;
- 2 azeitonas cortadinhas;
- 1/4 de tomate quase maduro (só gosto assim);
- um tequinho de pimentão vermelho cortado em tiras;
- uns 20 camarões entre pequenos e médios;
- um punhadinho de ervas pra dar um aroma...
Molho:
um fio de azeite extra virgem e um fio de aceto balsâmico! O sal tá por conta da azeitona e dos camarões.
Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm

Esquisito

O dia amanheceu esquisito.
Uma ressaca de festa pela rua.
As pessoas estão com cara de cansadas e com preguiça de tudo. É que além do feriado de ontem, tem o final das festanças e o povo pra pegar no pique de novo demora...
Vaca profana que sou, esqueci do João Paulo e entrei num ônibus que passa por onde? Tcharáááánnnnn no João Paulo, é claro!
Lá demorei pra chegar no trabalho mais que o normal. Uma merda isso, mas tudo bem, já estou com a cabeça engrenada em trabalho e doida pra terminar o expediente!!!!!
Lu, querida amiga, depois de muito tempo deu notícias e gostei de falar com ela.
Uma tarde boa pra todo mundo!

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Carta para São Pedro

Excelentíssimo São Pedro,
Desculpe se utilizei o pronome de tratamento errado, mas nunca tinha escrito para santos antes. Não para um assim, como o senhor, importante!
É que queria fazer um pedido bem especial e tinha que ser para o Senhor, que afinal de contas, tem a chave do céu e pode dar uma "conversada" mais de perto com Nosso Senhor...
Queria pedir pro Senhor dar "uma mãozinha" aí e me ajudar a realizar alguns planinhos que estão na cabeça desde muito tempo. Até onde posso alcançar, eles não prejudicam ninguém, pelo contrário, só irão favorecer.
Esses planos irão inclusive distribuir mais amor pelo mundo, deixar a atmosfera mais leve e fazer a vida de muitos ficar mais alegre.
Venho lutando há tempos pra ser uma pessoa melhor, mais caridosa, mais humana e mais amorosa, mas ando cheia de gente inescrupulosa por perto. Gente que vê o outro como um instrumento e isso tem me feito muito mal, às vezes fico em dúvda se quero melhorar cada vez mais.
Pessoas que antes pareciam ser uma coisa e se transformaram em outra, que sentem sentimentos pequeninos em relação a mim e aos outros. Inveja São Pedro, sabe como é...
Queria muito poder mostrar alguns valores que são bons para as pessoas e conseguir transpor umas barreiras que me são impostas diariamente...
Não daria então para o Senhor dar uma agilizada nesse processo? A coisa por aí pelo céu tá pior que o judiciário brasileiro. Engessado, empacado que nem mula, porque me esforço, me esforço e nada!
Vejo que pra outras pessoas as coisas acontecem e continuo com meus planinhos aqui na mente e no coração.
Hoje, que é o seu dia e o Maranhão está todo em festa, o Senhor poderia levar em consideração esse meu pedido e repensar as minhas condições para as pequenas porções mágicas de felicidade?
Desde já agradeço seu empenho em me ajudar,

Descoberta

Às vezes você se pega fazendo coisas diferentes com muita frequência.
Ultimamente tenho me interessado muito por decoração de casa. Acho que tenho estado mais curiosa a cada dia que passa e isso me faz ler mais, observar mais e querer saber mais ainda.

Em relação a casa, gosto de ver as novas cores, novos materiais, o que combina com o quê, embora não tenha um tostão furado pra nada disso. Meu ap coitado, não tem uma cor, um quadrinho sequer. Mas é falta de grana mesmo...

Só sei que ando me interessando por antiguidades e por coisas de cozinha. Comprei mês passado um revista Cláudia decoração cujo título é "Luxo". Estava vendo agora. Aí eu me pergunto: pra quê meu Deus? Pra quê?
Lembrei agora da cara do namoradão dizendo: "nunca imaginei vc comprando uma revista dessa!", mas não é engraçado? Nunca tinha parado pra pensar o quanto gosto de ver e ler sobre isso.

Tudo sem explicação aparente... muito curioso, muito curioso...

Aqui, minha próxima excentricidade. Quero usar na cozinha pra por temperos...

Dia muito bacana

Esse dia foi bacana.
Estudei, escrevi, li, dormi, fiz almoço, escutei música, fiquei em silêncio e ainda fiz esteira.
Poderia ser quase todo dia assim...

Chá Mate


Não tenho ideia de quando tomei chá mate a primeira vez. Digo, chá mate gelado!

Só sei que depois de muito gostar, aprender a fazer e me esbaldar, comecei a ver aqui nos salões de beleza mais descolados. Isso já faz um tempo... Lembro que gostei muito de saber que existiam outras pessoas por aqui que também tomavam.

Acho muito refrescante mesmo. Uma delícia.

Funciona como estimulante. Dizem que seu consumo exagerado vicia, dá insônia e até já ouvi que o povo brocha, mas comigo, nã nã ni nã não!

Nunca brochei graças ao meu bom pai e ao namoradão morto de lindo, durmo em tudo que é lugar, basta apoiar a cabeça, mas viciei mesmo!

Agora por exemplo, tomei um copão e me sinto renovada.

Na última viagem ao Rio com o namoradão, lembro de uma ressaquinha básica e na praia tomamos um copão daqueles que vendem no tambor. O vendedor ainda me disse que a "dica" era fazer com açucar queimado. Nossa, agora que lembrei dessa dica. Vou tentar aqui em casa...

"Nesses nossos tempos de agora", ainda bem que chegaram aqui, por essa terrinha algumas franquias que vendem um bom chá gelado, como o Rei do Mate, a Casa do Pão de Queijo e o Fran's café.

Vou me virando como posso aí pela rua...


Lá vai a minha receita (presta ateção nas medidas):
- meio "papeiro" de água filtrada;
- três colheres de chá mate tostado (uso o leão, R$ 2,55 o pacote pequeno de 100g e R$ 4,95 o grande com 500g);
- 8 pedras de gelo;
- 2 colheres de açúcar e umas 12 gotinhas de adoçante;
- 1 e 1/2 limão.
Ferva o chá, coe e misture tudo no liquidificador. Deixe ficar bem espumante. Serve com mais uma pedrinha de gelo dentro.
Para fazer só com açúcar: são aproximadamente 6 colheres
Para fazer só com adoçante: aproximadamente 25 gotas
Importante: porque uso adoçante e açúcar?
Não me perguntem se faz mal. Não sei!
Mas quando ponho só adoçante, fica com um gosto muito puxado e quando uso só açúcar, fico achando que é muito, então resolvi misturar os dois e ficar com a consciência mais tranquila, certo?
Klauss vive falando: "Bota uma franquia de chá da Bia, que vai dar certo..."

domingo, 28 de junho de 2009

Hermes e Renato

Como gosto das baboseiras dessa turma! Mas o que mais adoro agora são as vinhetas comemorativas de 10 anos. Um barato!
"Ha dez anos, rachando o seu bico".

Não é demais??? Adorei.

TV

Na Tv só passa a história trágica do Michael Jackson e alguns lances do jogo sofrido do Brasil hoje. Programação realmente chata.
Zapeando aqui, vejo esse na Record "A fazenda". Que coisa mais chata! As pessoas escolhidas pra esse programa foram a dedo. Apontaram as sub celebridades mais sem expressão e mais abusadas nesse Brasil. Eu realmente me preocupo com as pessoas que dependem da tv pra se divertir. Ou você emburrece ou fica bitolado (seria a mesma coisa???).
Na band, sou obrigada a ver Garantido ou Caprichoso. Ô revolta.
No pânico, um lance num carro, com um bêbado. Não, por favor, tô saindo de uma ressaca guerra, nada pior num domingo.
Na Globo uma tal de terapia... isso dá ibope?
Bom, pra encurtar o papo que não tá bom hoje, amanhã é feriado e vou trabalhar o dia todo.
Inté

Dança do Lelê


Semelhante à Quadrilha, a Dança do Lelê, de origem francesa é bailada por negros e idosos. Ela é uma espécie de quadrilha sertaneja, sendo que os passos são bem mais difíceis que o bailado convencional. A manifestação é tradicional da região do Munim, com destaque para as cidades de Rosário e Axixá.
O Lelê ou Péla-porco é dançado em pares dispostos em filas duplas de homens e mulheres. O cordão é liderado pelos cabeceiras ou mandantes. O cabeceira de cima, o primeiro da fila dos brincantes, é quem ordena as variações dos passos.
O som é maravilhoso e contagiante. Apaixonei!
video

Do topo da escada eu vejo...

video

Efervecência

O Centro Histórico está brilhante!

Fiquei tão feliz quando saí do trabalho na sexta e vi do topo da escada o cortejo de brincadeiras descendo as ladeiras e animando a noite.


Em todas as esquinas, um palco com apresentações diferentes fazem a festa ficar mais bonita, mais pulsante e mais divertida.



Tem forró pé de serra, tem boi, tem cacuriá, tem dança do lelê e tem tambor de crioula. Tamanha diversidade, só aqui. Não há igual.


Sinceramente gostaria de conseguir expressar o que acontece nesse mês por aqui, porque meu Deus do céu, nada é igual nem parecido. As ruas são tomadas por um som contagiante, um brilho reluzente e uma energia vulcânica que contagia a todos.


As pessoas saem de casa pra ver as manifestações, as ladeiras e os becos ficam decorados, qualquer dia da semana é dia para ir ao arraial e quinze dias é pouco para tamanha cultura.
Que coisa boa ver isso.
Sem mais comentários...
Emocionei!

Pai Francisco, figura do imaginário popular maranhense

No Beco do Forró, forró pé de serra

Cantadores da Dança do Lelê, adoro!


Brincantes da Dança do Lelê


Crianças brincantes do Boi de Leonardo da Floresta

Detalhe do couro do boi!

Encontro Regional das mães!!!

Na sexta que passou reunimos as mães para um bate papo. Estavam lindas. Aproveitaram pra se conhecerem mais, cantarolaram, dançaram e beberam.
Marcaram de se encontrar mais vezes. Eu, Mamá e Paty já decidimos: vamos deixar as três num bar e voltamos pra buscar, não é boa????
Fomos ao Cantinho da Estrela e a festa varou a noite.
Tive uma ressaca como há tempos não sentia. Na verdade tinha esquecido da sensação podre que é acordar com dor de cabeça, vomitando e com vontade de morrer.
Vou passar mais uns 10 anos sem sentir isso!



As mães mais lindonas do mundo (em pé D. Jesus, sentadas, mamis linda e D. Regina)!


Tava animada a coisa! Olhem mamis liderando a cantoria...

Paty e a mãe Regina

Edu, sempre animado!

Mamá, a mãe Jesus e Edu

Eu, Edu e Louise

Tudo começa com Santo Antônio

Minha coluna no Cazumbá desse mês
Tudo começa com Santo Antonio, o Santo mais alcoviteiro desse mundo! A partir do dia 13 de junho a cidade entra em clima de festa e sentimos pelas ruas um outro cheiro típico: o cheiro de bombinha...
Passado o dia 13, as festividades juninas estão oficialmente instituídas e, absolutamente, todas as noites temos bons motivos para darmos “uma passadinha” num arraial antes de irmos pra casa.
Comer arroz de cuxá com peixe frito ou torta de camarão é obrigação para quem mora aqui e para quem vem nos visitar, seja de qualquer região do país. As festas juninas não seriam as mesmas sem esse delicioso sabor.
Uma comida típica saboreada ao som de uma toada de boi faz qualquer dia valer a pena, principalmente se o boi for o de sua paixão. Aqui, torcer por um “batalhão de boi” é como ter um time do coração. Por ele se briga se bate e se apanha (por que não?). Eu, por exemplo, vivo confusa em relação a isso. Gosto de ver a massa maiobeira chegar num arraial. Chegam e vão levando tudo pela frente...mas, quando escuto o “Maracanã”, meu coração fica diferente.
Lá vem “Ribamar” e “Chiador” já chega com um vozeirão de dar inveja. Em meio a essa confusão que se transforma meu coração, a Pindoba chega com sua originalidade e lá estou eu toda alegre e sem saber qual é meu batalhão do coração.
Passado alguns dias do início da festança, a espera é pelo ápice do mês de junho: o Dia de São João. Nesse dia (24 de junho), a cidade se reveste em cores berrantes, muitos brilhos e uma musicalidade única. O “hit” do momento já está na boca do povo e os índios do Boi de Morros também estão em muitos registros fotográficos.
Fala-se a essa altura sobre o arraial com a melhor programação, o que foi ruim, o que foi bom e ainda dá para se programar para aquela apresentação do Cacuriá, que é sempre muito concorrida e animada.
A festa está em seu ponto máximo e a saudade de tudo começa a ficar mais forte. Pena não se ver mais tantas fogueiras pra esquentar ainda mais o coração...
No dia 29 de junho, acontece o inesperado: amanhecer na Capela de São Pedro com o sol ardendo no olho e a cidade em pleno feriado. Desse ponto dá pra ver a procissão marítima pelo Rio Bacanga e os pedidos ao Santo protetor dos pescadores saem em meio à ressaca e ao barulho das matracas. Festa bonita, alegre e colorida que dá muito orgulho a todos nós.
Após as comemorações do Dia de São Pedro, chega o momento do país todo se despedir das festanças. E quem disse que em São Luís acabou? Não! Ainda tem dia 30 e a comemoração em homenagem a São Marçal!
Temos um dia de ponto facultativo por aqui e o João Paulo se transforma em pura paixão, suor e ritmo. Nesse dia também comemoramos o dia do Brincante de Bumba-meu-boi e só depois de todos os grupos passarem pela passarela, a missão está cumprida e a dinâmica da vida volta ao seu estágio regular.
O mês passa assim, de mansinho, e nem sentimos seu peso em nossas vidas. Afinal, tanta coisa pra pensar e fazer no mês de junho, não é mesmo?

“Todo mundo canta sua terra e eu também vou cantar a minha. Modéstia parte seu moço minha terra é uma belezinha” (João do Vale / Julinho).

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Boi de Santa Fé

Ai como estou apaixonada pelo Boi de Santa Fé!
Acabei de vê-lo no arraial da Lagoa e sinceramente não há nada mais bacana nesse São João!
Que coisa mais linda!
Os cazumbás estão imbatíveis. Lindos, lindos e lindos.
Os índos, todos concentrados, iguaizinhos, dançando lindamente e os vaqueiros indo no mesmo rumo.
Fiquei emocionada ao ver um cazumbazinho de uns 6 anos dançando em meio à roda. Ah, tive que subir no palco pra tirar foto, mas claro, esqueci minha câmera e tive que me virar no celular.
Curriculo oculto é o nome correto para esse fenômeno. Crianças já aprendendo a preservar nossas raízes mesmo sem saber.
Paramos (Eu, Dadá, o Chef Zé Maria e Valbinho) no arraial sem querer e fiquei surpresa com tanta gente. Estava bem cheio, colorido, alegre e bom para a família.

O mês de junho não existe...

Os feiticeiros da brincadeira, os cazumbás
O brilho e as cores da festa

Curriculo oculto...


Essa indumentária pesa 23 quilos. Dadá não poderia deixar de perguntar, né?



Detalhes dos índos com cazumbás no meio da roda.

Michael Jackson

Meu Deus cheguei agora em casa e soube da morte de Michael Jackson.
Sinceramente não acredito ainda.
Engraçado essa sensação que os gênios causam da gente, né?
Ninca tive um disco dele, só ouvia músicas dele na tv e só o via também na tv ou na net, mas juro que fiquei chocada.
Sei lá!
Engraçado...

Risco de morrer

Antes era "fulano corre risco de vida";
Depois passaram a usar "beltrano não corre risco de morte"
Agora estão usando "sicrano corre risco de morrer"!
Escutei esta última frase ontem no jornal da Band e lembrei que o namoradão já tinha me dito da mudança de nomemclatura.
Faço minhas as palavras do Glauco Mattoso (ver mais em petiscos), quando diz que essa história vai dar panos pra manga, já que risco mesmo, quem tá correndo é a vida!!!!
Agora vou cuidar de trabalhar é que é!

Gonzagão


Esse povo mistura tudo.

Luis Gonzaga na porta de um dos nossos restaurantes.

Não há nada que diga que esse restaurante é pernambucano ou que seja um mix do Nordeste.

Esse povo é sem noção...

Adoçante


O lance é oportunizar.
No restaurante de domingo passado em todas as mesas tem um vidrinho de adoçante igual a esse aí da foto.
Você adoça o café a proveita para ver algumas propostas imobiliárias. A frase é ridícula, tudo bem, mas você acaba dando uma olhada. Bingo!
O ruim é não saber que adoçante é, nem tampouco saber se é ciclamato, sacarose, aspartame ou stévia.
Ainda bem que as pessoas que só usam o stevia, sabem que ele é pequenininho e caro, logo não estaria ali de bobeira...

Cantiga de grilo

Tem coisa mais chata que você estar deitado em seu quarto, pronto pra dormir, aninhado em seus lençóis e começar uma cantiga de grilo?
Já me ocorreu de levantar uma vez e dormir por volta das 2:45, que foi o horário que achei o cretino do grilo atrás do meu espelho colado na parede!
Pois é, incomoda, te dá um suor que vai subindo dos pés até à cabeça.
Ontem no ônibus, subiu uma senhorinha aparentemente inofensiva e começou a pregar. Pregava que Jesus está vindo e que o capeta está no meio dos arraiais.
Falou tanto, tanto e tanto que por pouco eu não dei uma sapatada na cabeça dela, igual eu fiz no grilo lá de casa! Meu Deus, passou uns 50 minutos gritando no ônibus e ainda dizia: "aqui vocês tem que me ouvir".
Ônibus já não é o melhor lugar do mundo!
As 18:30 então, tá todo mundo suado, feio e fedido. Pra piorar começou a chover e as janelas foram fechadas.
Me senti numa panela de pressão.
E a representante divina ali, pregando e pregando...
Até gravei pra por aqui, mas a extensão do arquivo não permite e meus dotes de informática não alcançam a façanha de alterar...
Acontece cada uma comigo que vou contar, viu?
Coitado do cobrador!!!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

No banheiro

No banheiro da faculdade enquanto eu retocava minha maquiagem onte a noite...
- Pois é, fiquei!
- Deve ter muita coisa pra estudar... Tu tá lascada!
- Se tem... esse professor é um escroto!
- Sabe aquele professor chato? Que pensa que sabe alguma coisa?
- Não deve comer ninguém há uns dois anos, pra ser assim...
- Um bosta!
- É um mal amado, isso sim. Esses professores são assim, péssimos. Me deixar por meio ponto?
Discretamente boto meu jaleco branco que me identifica como professora e o silêncio reina no banheiro.... só a respiração das fulaninhas...
Esses alunos são ótimos. Acham que a culpa é sempre nossa por eles não saberem ler, escrever e pensar.
Meio ponto é muita coisa...

São João

Hoje é dia de São João!
Ponto máximo das festanças juninas.
Dia de fazer fogueira, tomar mingau de milho, fazer um arrastapé e estourar bombinhas.
Dia muito bacana esse.
Mas ao invés disso, vou entregar notas de alunos.
Francamente!

terça-feira, 23 de junho de 2009

Brilhos, encantos, perfumes, cheiros, sabores, aromas e tudo o mais de Portugal

Não tive tempo de pesquisar os primórdios da Dança Portuguesa em São Luís, só sei que ela é figurinha fácil em nossos arraiais. A hipótese mais fácil deve ser pelos motivos que você também está pensando: colonização portuguesa, maior acervo civil português do mundo e porque não uma dancinha portuguesa? Aí, inventaram essa chatice para o Sao João e todo o sempre sem fim amém!!!
Dá um sono assistir, além de uma ânsia ficar escutando aquelas músicas...
A impressão que tenho é que quando não tem nada mais pra por no arraial, a empurroterapia funciona e lá vem uma Dança Portuguesa pra encher o saco.
Quando era criança, mamis inventou de me enfiar em uma. Tenho até foto (melhor esquecer isso, né?)!
Mas quando penso em dança portuguesa, só me lembro do Roberto Leal cantarolando e saltitando de um lado pro outro fazendo aquele passinho que os mamonas faziam na música "Vira Vira".
Mas o melhor nessa minha manhã dedicada à Dança Portuguesa, é ver a programação dos arraiais e gargalhar com a criatividade dos nomes das danças. Estão preparados?
Raizes de Portugal, A arte e beleza de Portugal, Príncipe de Portugal, Coroa de Portugal, Uma noite em Portugal, Navegantes de Portugal, Horizonte de Portugal, Vitória de Portugal, Adolescentes de Portugal, Alegria de Portugal, Encantos de Portugal.
Cansou? Não, peraí tem umas que quiseram ser diferentes:
Amigos do Porto, Unidos de Lisboa, Eterna Magia da Vila Real, Rainha e Encantos da Vila, Tesouro de Coimba, Império do Lume e a melhor: Os Luzíadas!
Vê se eu aguento isso????

segunda-feira, 22 de junho de 2009

ZZZZZZZZ

Tchau segunda!
Preciso desligar a cachola!

Inté meu povo!

Mirante x Paraíba

O arraial da mirante agora é no renascença, no espaço ao lado do Armazém Paraíba.
Até aí tudo bem.
O que a Mirante não contava e talvez, nem o Paraíba, é que o arraial fosse se transformar no "arraial do Paraíba"!
Já ouvi zibilhões de pessoas falando que "foram ao arraial do paraíba"...
Acho que a estratégia não foi tão boa assim...

domingo, 21 de junho de 2009

Pimenta


Pimenta é um fruto muito interessante.
Tem cores fantásticas, um perfume que te excita, sabor exótico e é só para um seleto grupo.
Possuem efeitos antiinflamatórios e antioxidantes.
Pimentas com uma ardência muito grande não me agradam o sabor, embora ache lindo ter em casa e ver pessoas comendo. Sinto até inveja de tanto que acho lindo!
Faz uns três meses mais ou menos que fui almoçar com meu amigo Saulo no Restaurante Feijão de Corda e descobri essa pimenta aí, por indicação dele. Pimenta de bico é o nome.
Perfumada, saborosa, linda. Tudo de bom!!!!
Hoje ao sairmos da praia, fomos a esse restaurante e apresentei a danada da pimenta a todos da mesa.
Resultado: todo mundo apaixonado pela iguaria.
Realmente é uma delícia. Pra mim, uma ótima descoberta.
Recomendo a pimenta e o Restaurante!

Sábado de junho

Fomos à Pizzaria Vignoli, aquela da pizza fininha. Chegamos junto com a chuva e tava uma confusão o atendimento, mas entre mortos e feridos, todos se salvaram e tivemos uma noite muito animada.
Wendell totalmente importado do São Paulo Fashion Week, estava arrasando. Morri de rir. É uma figura!

De lá, como não poderia deixar de ser, fomos ao arraial da Lagoa. Deixamos o carro numa rua longe e pra cortar caminho, resolvemos seguir o conselho do meu mais novo amigo, Seu Domingos, o vigia do carro: "Dá pra ir pelo mangue sim, criança! É rápido"

Pronto! A noite não poderia terminar sem uma presepada, né? Atravessamos o mangue, um brejo e ainda disputamos com uns cavalos a estradinha... Chegamos sãos e salvos e o Santa Lola de Josi resistiu bravamente!

O arraial tava cheio, animado e para minha felicidade, era o Boi de Maracanã. Ahhhhhhhhhh que coisa mais linda!

Mês de junho em São Luís realmente tem uma energia diferente...

A decoração dos arraias tá muito bacana. Colorida, viva. Adorei!
Como sempre tem o que falar, o Boi de Nina Rodrigues é o erro! A proposta, se não me engano, é de um boi com sotaque de orquestra, mas o que ouvi foi uma música vindo do festival de Parintins. Que povo mais sem noção!
Como não há nada tão ruim que não possa ficar pior (como diz o namoradão), o povo da mesa ao meu lado me sai com essa: "esse boi é bom!"
Eu:
Bom pra ir pra Parintins!

Esta que vos escreve e Josi

Josi e meu chefinho preferido, Regi

Familia Santos Jacintho e Josi

Carol, Josi e Mamá

Josi e Augusto

Wendell Fashion Week, Josi e Junior

Josi e Wendell Fashion Week atravessnado o mangue para chegar ao arraial

Saída da pizzaria
o colorido da festa

Carta para Josi

Querida Josi,
Quando te conheci, não pensei que fôssemos ficar assim tão amigas, mas tinha certeza que íamos aprontar poucas e boas. Também, com aquelas tuas minissaias, boa coisa não podia dar...
Só sei que bebemos uma cerveja, descobrimos afinidades e até hoje não nos degrudamos mais...
Já choramos, bebemos, estudamos, viajamos e já sonhamos com muita coisa na mesma proporção.
Até Reveillon em Copacabana já saímos daqui pra curtir... que folga dessa dupla, heim?
Muita coisa deu certo ao longo dessa amizade. Outras não... mas entendo que precisávamos passar por isso. Maturidade não chega assim de forma tão fácil, não é mesmo?
Hoje estamos adultas, cheia de novos sonhos e também com muitas responsabilidades compartilhadas.
Lembro de muitas fases suas. Cada uma tem algo que gosto (excetuando "aquela", em que é melhor nem falar, porque dá azar) e a cada novo "baque" uma nova Josi renasce. Gosto dessas reviravoltas. A cada uma, mais uma experiência, não é mesmo?
Um fato curioso é a nossa semelhança fisica, tão exercitada em nossas saídas. Todos perguntam se somos irmãs e perdemos um tempo danado explicando... Mentimos pra uns, falamos a verdade a outros e assim vamos vivendo.
Lembra de quando dávamos aula na mesma faculdade? Noooosssaa.... os alunos ficavam loucos. "Professora, acabei de ver sua irmã no outro corredor"; "Professora deixei o livro com sua irmã"...
Nega querida, esse início de um ano novo irá te trazer paz, harmonia e muita saúde. Tudo aquilo que sonhas e esperas, virá, se tiver que vir. Sem pressa...Você é hoje muito melhor do que antes e agradeço mesmo poder fazer parte do teu seleto grupo de amigos. Seletíssimo na verdade!
Pra variar não comprei teu presente, mas dado o meu tradicional atraso em entregas de presentes, acho que tô na média.
Por falar nisso, estou sentindo muita falta dos presentinhos que me davas antes. Onde estão? Pra quem não sabe, ela adora comprar coisas erradas, como tamanho, cores que não combinam com ela, decotes muito provocantes e adivinhem quem leva a rebarba? Quem, quem? Euzinha, é claro!!!
E pra terminar, digo aos quatro cantos que és uma excelente amiga e que adoro compartilhar as minhas loucuras.
Que sejas muito feliz. Mesmo!
Te adoro muitão.
(A Empresa de Correios e Telégrafos tá louca, não entrega mais as cartas nos dias certos! Mandei essa carta ontem, mas a danada só chegou agora! Não se pode mais confiar nos serviços brasileiros mesmo, aff!)

sábado, 20 de junho de 2009

Devassa


Desde que tomei a primeira vez a cerveja Devassa, adorei.
Ela é até mais amarga que muitas, mas gostei desde o primeiro gole.
Quer dizer, gostei antes de beber. Quando passava pelos vários Botecos Devassa no Rio de Janeiro, ficava intrigada com o nome e acho que já gostei por isso. No fundo no fundo, adoro uma sacanagem e esse nome é tudo, nénão?
Bom, o fato é que tô tomando uma agora esperando o povo vir me buscar para irmos comemorar o aniversário de Josi.
Tô tomando uma loura. Pilsen. Tropical. Delícia...


Ah, amanhã começa o inverno.
E eu com isso?

Reluz

O sábado tá lindo.
Um solzão brilhante, reluzente.
Poderia ter aproveitado mais, mas tô sem energia pra tal.


Aproveite!

Arraiá das Moças Formosas



Licença aí pros ociosos que passam por aqui sempre, mas esse post é para a Família Santos... quem não tem paciência, por favor, pule alegremente para o próxmo post!

O "Arraiá das moças formosas" é uma festa típica da família Santos. Acontece há sete anos e a cada novo período junino todo mundo se assanha pra fazer o melhor.

A nossa festa foi ontem. Um barato. Tá muito maior a cada ano e muitos de nós, de tanto trabalhar, acaba tirando esse dia para se divertir no São joão inteiro. Todo mundo caipira (não se assustem, por favor. Na real, somos mais arrumadinhos!), muita bebida e comida à vontade.

Na verdade, em qualquer data, bastou uma reuniãozinha para a maior preocupação ser comida e bebida. Quem nos conhece sabe que não estou exagerando...

Pois ontem foi assim mesmo: comilança, beberança, cantorias, danças, bumba-meu-boi e quadrilha. Dancei, gritei, sorri e claro, botei alguns papos em dia. Tem primo que só vejo uma vez ao ano, tem tio que quase não reconheço mais, de tanto tempo que não via, mas no final deu tudo certo!

Mamis arrasou no desfile de rainha caipira e claro, levou a coroa! Tava toda prosa...

Minha irmã tava um pouco irritada, já que mamis nos obrigou a ir com a mesma estampa da camisa: eu, rimão, rimã e Ivanilde, nossa assessora para assuntos domésticos.

Ah, nem ligo, já que é o único momento em que mamis tem certeza que manda na gente, hehe!



"Zé Filho" pra lá de animado!






















Rimão e cunhadinha







A rainha caipira da festa!



















Rimã irritada e cunhadinho













As comilanças...










Tony, meu primão querido!


Tia Inácia e Walquíria










Gisa e Joaquim






Tia Leila, Louise e Tia Clara




Princesa e Rainha Capiria





Tia Cléia e João Pedro










Tia Leila Tio Carlinhos e Kênia






Mas aí esse povo já gosta de dançar....

sexta-feira, 19 de junho de 2009

A primeira vez

Meu caro ocioso que aterriza aqui pela primeira vez, não vá logo conceituando este humilde blog, assim de bate pronto!
Esse post abaixo de revolta foi só um instantinho assim, mas ja passou!
Vá lendo com calma, sem pressa, curtindo seu momento de ócio e vá entendendo o perfil desta que vos escreve.
Este espaço é para comentários sobre os meus momentos de ócio, viagens e/ou gastronomia. Pode ser que eu fale de tudo junto também.
Pode ser cada um a seu tempo...
Pode ainda ser sobre o cotidiano, que me reserva sempre belas surpresas...
Não vá chegando e já achando que o blog é assim ou assado. Na verdade eu gosto de guisado também.
De refogados...
E às vezes cru. Muito cru...
Boa leitura!

Feliz

Não dá pra ser feliz. Não dá!
Acordar cedo, carregar uma bolsa e um mochila, tomar o ônibus mais cheio da paróquia, subir uma ladeira igualzinha à da misericórdia em Olinda e ainda fazer um calor dos diabos.

Não dá pra ser feliz, não dá!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Gente como eu


Estou com uma sensação boa: a de dever cumprido.

Acabei de sair de uma palestra de sensibilização para os Guias de Turismo. Foi muito bacana.

Gosto desse trabalho! Levar novidades, envolver as pessoas no processo, sem falar no reencontro adorável com velhos amigos.

Gente como eu. Que trabalha muito, é honesta, sincera, nem sempre é reconhecida, se vira nos 30, mas tem tempo para ser feliz. Nada de falsidades, segundas intenções ou o velho "tapinha nas costas".

O Guia de Turismo é o embaixador da região. É ele que detém as principais informações da cidade e pode destruir a imagem da mesma ou embelezar mais ainda o que já é belo.

Sou Guia de Turismo também, mas nunca exerci a profissão, pois sempre estive trancafiada em escritórios, hotéis e agências de viagens. O tempo que me sobrou, fiz o curso, que a propósito, dura cerca de seis meses.

Ah agora lembrei! Levei umas excursões sim, quando era Presidente do Centro Acadêmico de Turismo..hehe. Meus amigos de turma, os alunos de História, Filosofia, Ciências Sociais (uma fumaça no ônibus.. iôiô!!).

Ser Guia é ser livre. É ter muita responsabilidade. É aceitar um passeio quando quer ou quando precisa.

É ser despojado e é a referência para os turistas.

O Presidente o Sindicato de Guias do Maranhão é um fofo. Simplesmente o acho tudo isso que disse aí em cima, acrescentando somente o "cheio de estilo".

É um batalhador.

Revolta-se com a ingerêcia constante do turismo por aqui, mas acredita que tudo vai melhorar.

E vai meu querido Augusto, vai sim...