Pular para o conteúdo principal

Ao contrário do tempo para o Ócio...

O Brasil está entre os países com a menor jornada de trabalho semanal diurna, com 44 horas.
Esse mesmo número de horas também foi registrado na Venezuela e na Guatemala. Os argentinos e os chilenos trabalham uma hora a mais por semana.O Equador é a nação que apresenta a menor jornada semanal, apenas 40 horas, e também tem a distribuição mais favorável aos trabalhadores, no que diz respeito ao tempo no qual se desenvolvem trabalhos diurnos e noturnos. Nesse país, o horário para trabalho diurno começa às 8 horas e vai até as 18 horas. Depois desse período, até as 8h do dia posterior o horário é considerado noturno para fins de trabalho.
Nesse aspecto de jornada diurna e noturna de trabalho, a pesquisa constatou que o Brasil é o país que apresenta a situação mais desfavorável ao trabalhador. A jornada de trabalho no País é considerada diurna entre as 5 horas e 22 horas. A jornada noturna só se caracteriza após as 22 horas de um dia e 5 horas do dia seguinte.
Pesquisa
Os dados fazem parte da pesquisa "Relações no Trabalho na América Latina" feita pela ABRH Nacional (Associação Brasileira de Recursos Humanos). Participaram do levantamento oito países: Argentina, Bolívia, Brasil, Equador, Guatemala, México, Nicarágua e Venezuela.
A pesquisa também foi baseada em dados do livro "Régimen de Jornada Y Descansos en América Latina", escrito por Julio Grisolia e Eleonora Peliza, edição de 2008. O estudo fez a análise de cinco itens: jornada de trabalho, intervalo, descanso semanal, feriados e férias. Quando o assunto é horas de trabalho semanais, os brasileiros trabalham 404 horas a menos por ano, quando comparados aos trabalhadores mexicanos, e 173 horas a menos em relação aos argentinos.
Intervalos
No que diz respeito ao intervalo durante o expediente, para alimentação e descanso, o Brasil e o Uruguai são os que oferecem o maior número de horas, de até duas. Entretanto, esse tempo não é contado na carga de trabalho.Já no Chile, México, Guatemala e Venezuela, o intervalo é de 30 minutos. Porém, esse tempo é considerado como trabalho.
Folgas
Entre os países latino-americanos pesquisados, o Equador e a Venezuela possuem uma situação mais favorável aos seus respectivos trabalhadores com relação ao descanso semanal. Ambos concedem 48 horas. Em seguida, surge a Argentina, com 42 horas de descanso semanal. Os demais países proporcionam entre 24 e 36 horas de descanso por semana.
Feriado
Está comprovado que o Brasil e o Uruguai são as nações que têm o maior número de feriados, com 13 dias por ano.No que se refere ao conceito de feriado, praticamente todos os países possuem a mesma regra. O trabalhador recebe o dia e não há trabalho. Quando, em casos excepcionais, há trabalho nos dias de feriado, os trabalhadores recebem as horas como extras.
Férias
Em relação ao período de férias, o Brasil apresenta a situação mais favorável para os trabalhadores. A legislação brasileira concede 30 dias de férias desde o primeiro período aquisitivo (após um ano de emprego). Em contrapartida, o México é o país que apresenta a situação mais desfavorável, com 6 dias de férias. Com relação à remuneração durante as férias, os brasileiros também são os mais beneficiados. No caso, o trabalhador recebe uma remuneração correspondente ao seu salário normal, acrescida de horas extras e um bônus equivalente a 33,33% do seu salário. Essa quantia a mais também é paga pela Argentina, que concede 20% do salário para quem sai de férias. Já os mexicanos recebem 25% do valor que receberiam se estivessem trabalhando. Nos outros países, o tempo de férias e o valor a ser recebido nesse período variam de acordo com os anos trabalhados.
Colaboração: Flávia Nadler

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,