Pular para o conteúdo principal

Olorum Kolofé Axé

Meu povo! Assisti uma palestra hoje sobre Culinária Quilombola. Muito bacana! Amei!

Começa aí pelo fato de eu adorar temas afro brasileiros e ser militante por uma sociedade igualitária.

Mas o primeiro questionamento do tema é: Existe uma culinária quilombola?

Não querendo aqui discutir sobre culinária versus gastronomia, o bacana é refletir sobre a quantidade de informação e cultura que se perdeu ao longo dos anos pelo simples fato do colonizador não acreditar que negro era gente, não dar valor à sua cultura, embora comesse das iguarias feitas e modificadas por eles e portanto não ter deixado vestígio de toda aquela riqueza.

É claro que a culinária da época é importante e deve ser resgatada, não há dúvida disso. A questão é essa dificuldade em garimpar informações. Achei intrigante essa questão.

Não há registros na historiografia brasileira sobre esse tema e o trabalho do Chef Guga Rocha é louvável.


A base da alimentação dos quilombos "das Alagoas", era porco, galinha da terra, feijão, mandioca e outras raízes (inhame, cará, mandioquinha), óleos à base de côco e as frutas, banana, laranja e outras frutas do sertão.


Pra não entender:

Alagoas é um celeiro negro importantíssimo. Foi aqui o grande Quilombo dos Palmares, a maior representação da liberdade em tempos doloridos, mas fica uma pergunta para minha amiga Maria da Graça, a negra mais porreta da minha vda: porque então não se vê muitos negros em Maceió? Intriguei de novo!

Para saber:

Não houve nada mais bacana até agora por aqui que escutar a aeromoça falando: "Senhoras e senhores, bem vindos ao Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares".

Deu uma sensação boa, não sei explicar.

Talvez pelo fato de sempre chegar em aeroportos e ouvir:

Bem vindos ao aeroporto Marechal Cunha Machado (quem foi esse cara?)

Bem vindos ao aeroporto Governador Franco Motoro (me poupe!)

Bem vindos ao aeroporto Senador Petrônio Portela (faça-me o favor!)

Bem vindos ao aeroporto Pinto Martins (ah, desisto!)

Fica aí a dica pra futuras pesquisas...

ah, o título é "Deus te abencoe a te dê força"

Comentários

Chef Guga Rocha disse…
Que bom que vc gostou da palestra, fico feliz. Terminei o livro hoje e acho que em agosto estamos publicando... :)
Me adicione no msn chefgugarocha@hotmail.com
Vamos trocar figurinhas gastronomicas!
Beijo

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,