Pular para o conteúdo principal

Nem José nem João: o obtuso caso do Maranhão.

A vida vai passando e às vezes não damos conta da conjuntura à nossa volta.
Isso se dá pelo excesso de atividades, pela correria rotineira do século XXI. Tudo bem compreensível.
Hoje ao sair do trabalho e passar pelo Palácio dos Leões, vim pensando sobre o contexto político que o Maranhão vive e lamento bastante.
Não lamento por partido A ou B, longe disso. Sou do partido do progresso, desenvolvimento, educação, sensibilidade e responsabilidade social, nada mais que isso, mas o momento em que vivemos me enche de tristeza e de vergonha.
Grupos egoístas disputam uma liderança que não possuem. Esses mesmos grupos brigam por um dinheiro que não é deles. Esquecem das pessoas e do bem coletivo, a verdadeira missão da política.
Uma grosseria com a humanidade, um verdadeiro sacrilégio.
Acabei de ler que amanhã já tenho outra representação política no Estado.
Como assim????? Como isso funciona?
Quando eu telefonar amanhã para alguma secretaria pra falar com fulano ele nao vai estar? E as minhas respostas? E o que foi acertado com sicrano que lá sentava na semana passada? Será que irão levar meus ofícios em suas pastinhas pessoais?
Quanto tempo precisamos para tudo se restabelecer?
E que Políticas Públicas serão desenvolvidas para um ano e meio? Serão projetos somente, nada de Plataforma de Governo?
É meus queridos ociosos, talvez daqui a 5 anos eu entenda tudo isso, talvez até goste de ter vivido esse momento, mas confesso que esse desabafo é por não acreditar em mais nada (ou quase nada).
Hoje fui fazer minha inscrição como aluna especial no Mestrado de Políticas Públicas e à partir de maio terei que estudar e entender as teorias que explicam os fatos históricos que na prática não funcionam!
Já até ensaiei algumas propostas, vejamos:
Políticas Públicas e o Turismo. O grande desafio do século XXII.
A descontinuidade das políticas voltadas ao Turismo: o mega caso de sucesso do Maranhão.
Nem José nem João: o obtuso caso do Maranhão.
Turismo no Maranhão, a odisséia do impossível.
Ainda assim, desejo uma sexta de muita esperança pra todo mundo!

Comentários

Anônimo disse…
BEATRICE...adorei o seu texto e concordo em gênero, número e grau! Também ou apartidário...sou do lado que trabalha pela educação, justiça, igualdade de direitos e responsabilidades sociais. e que não entendam isso como vira casaca, não é isso. Acho que, independente de quem esteja gobernando, devemos fazer nossa parte pelo nosso Estado.
Contudo, em situações como estas desestruturam qualquer pessoa.
Este momento é, verdadeiramente um marco na história do MA, sem dúvida alguma, mas é, acima de tudo, uma situação extrema que mexe com os estados psiquicos e emocional dos maranhenses. Tal situação pertuba a ordem pública...todos, todos os maranhenses vivem hoje um dia de "como será?", "quem será?", "como proceder?", "a quem me dirigir?", "o que dizer?', "o que pensar?"...é muito delicado pois até mesmo pessoas imparciais, como bnós, podemos ser mal interpretados por estarmos acima da disputa do "bem e do mal". Podemos ser mal interpetrados por apenas querermos fazer nosso papel nessa confusa sociedade.

Abçs
Rivanio

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…