Pular para o conteúdo principal

O pão nosso de cada dia


- Três pães massa grossa, por favor.
- Hã?
- Ah, desculpe senhor, quero pão francês!
- Saindo “três francês” quentinho na hora...


Foi com esse pequeno diálogo numa padaria do Piauí que me dei conta dessa particularidade no Maranhão e imediatamente pensei: e o pão massa fina, como chamam aqui?
O pão é um alimento milenar. Aponta-se seu surgimento na Mesopotâmia há seis séculos e com uma fabricação pobre, sem muita pompa, e um produto final de sabor amargo. Sua origem remonta ao cultivo do trigo que também era aproveitado no fabrico de bolos, mingaus e broas.
No Egito, de tão sagrado, o pão era pagamento de trabalhadores. Na Idade Média o padeiro era muito respeitado e prestigioso, no início da era cristã, o pão já aparece como um alimento comum nas mesas dos romanos. Lembremos aí do quadro da Santa Ceia, onde Jesus aparece ladeado de apóstolos e o pão a partir dali se transformando num alimento sagrado.
No início, assim como hoje, em sua fabricação era acrescentado centeio, aveias e outros cereais, embora sem a noção exata dos benefícios para a saúde. Hoje, cereais dão nobreza aos diversos tipos de pães, embora os velhos “massa fina” e “massa grossa” permaneçam intactos aos gostos dos maranhenses.
O pão “massa grossa”, meu preferido, tem casca dura, é quase oco e crocante. Quentinho e com uma boa porção de manteiga não tem igual. Com requeijão, margarina, geléia ou patê é bom, mas com manteiga real, não tem pra ninguém.
Já o “massa fina” é maciço, molinho e de sabor adocicado. Muito bom com recheios e não costumamos vê-lo quente pelas padarias. É sempre frio e de um dia pro outro não perde suas características e frescor como o “massa grossa” que amanhecido, perde um pouco seu glamour.
Nosso pão “massa grossa” recebe diversas alcunhas pelo Brasil afora, sendo mais conhecido como pão francês, baguetinho, carioquinha, cacetinho, etc. O “massa fina” é conhecido como pão de leite e não se fala mais nisso.
A fabricação de pão é algo relativamente simples, embora seja necessária uma certa alquimia dada a necessidade do uso de fermentos.
Não se sabe ao certo quando começou a tradição de se comer pão de manhã cedo, fazendo parte do café da manhã, mas há algo de curioso nisso: aqui no Maranhão o pão não é parte integrante das refeições principais como em outras partes desse Brasil varonil. Por aí, come-se pão com saladas, churrascos, como entradas e até como sobremesas, além de ter uma cestinha sempre à mesa de almoço e jantar. Em São Luís, você encontra pãezinhos como entradas ou acompanhamento de sopas e caldos, mas só é elemento principal no café da manhã, acompanhando uma boa xícara de café com leite.
Pão light, pão com linhaça, brioche, pão preto, pão integral, pão ciabatta, massa fina, massa grossa, bengala, filão, pão de forma, pão de cevada, de centeio, pão doce... As opções são incontáveis hoje em dia e as boutiques de pães estão cada vez mais sofisticadas para atender o público ávido por novidades.
Dada a modernidade do mundo e a nova estrutura familiar da nossa sociedade, é muito fácil encontrar o velho pão com café substituindo o jantar. É cena corriqueira pais e mães de família passarem na padaria antes de voltarem do trabalho.
Pode faltar qualquer coisa em casa, mas pão, não!

Comentários

Paula disse…
Até musicas já fizeram para o pão...vc deve lembrar, já que assistia ao Xou da Xuxa, qdo era criança...heheheh No interior onde estava morando, o povo chamava o pao massa grossa de PÃO DE SAL e o massa fina, PÃO DOCE. E eu claro, logo que cheguei lá paguei mico, chegando na padaria, no 1º dia que estava lá, e pedindo PÃO FRANCÊS!!! É a mesma coisa de chegar em Fortaleza, e pedir guaraná Jesus...eu tbm já fiz isso!!! rsrsr
KLAUSSMOCHEL disse…
O pão massa fina também é conhecido como "Pão Careca" no Rio de Janeiro.
Puxa... tá sabendo alguma coisa sobre a padaria do francês? Vai voltar ou não vai voltar??
Eita.. e aquele pão australiano?? com gostinho de mel?? Uma loucura!!!
Boa Klausinho!!!
Não sabia, mas já vou anotando aqui para um próximo texto...
Sobre a padaria do francês, o que sei é que eles são assim: dão "um tempo" de vez em quando...
Tô doida pra ele abrir de novo, aquele pãozinho italiano e aquela rechaeado com queijo coalho..ai ai ai!!!
Esse com mel não provei. Tô com água na boca agora...
Ah, almoço na quarta, heim????

Valeu pela visita!

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,