quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Carta aos meus amigos gays

Não lembro mais quantas vezes fui a São Paulo. Foram muitas. Algumas a passeio, mas a maioria a trabalho.

Tirando o êxtase de qualquer pessoa que chega naquela megalópole a primeira vez, as outras costumam ser bem parecidas, já que os programas mudam de lugar, mas tem a mesma essência. As minhas passagens de um tempo pra cá tem sempre "up grade", mas essa não é a questão, foi só pra registrar, rs.

O fato que quero relatar, é que desde a primeira vez que pus os pés lá, percebi que a cidade era gay. Monocromaticamente gay!!!

Os paulistanos são exigentes, sabem dos seus direitos e por isso prezam por sua individualidade e pelas dos outros. Reconhecem seus limites e aí não se importam com sua orientação sexual. Você pode ser lésbica, veado, transexual, bissexual, transgênero, simpatizante ou suspeito, não importa. O que importa é você!

Vendo agora os casais de mãos dadas pelas ruas trocando carinhos, beijinhos e sussurros em todos os lugares, lembrava de todos os meus amigos (que são muitos!) que por respeito a eles e não à cultura machista do Nordeste, prefiro preservar e pensava: "se eu fosse gay, viria morar aqui!". Até comentei com o namoradão que é paulistano e isso não saiu da minha cabeça...
Então resolvi escrever essa carta a todos os meus queridos, amados e quase sempre alegres amigos gays. A idéia era sugerir que fossem morar lá, mas ok, ok, tudo bem, tudo bem, se todos seguissem meus conselhos, a vida ludovicense ficaria bem menos colorida, eu, sem muitas gargalhadas e São Paulo afundaria de tanto gay junto, já que somando os maranhenses e os do resto do País que já estão lá, o Estado iria proclamar a independência e não sei bem as consequências disso. Melhor deixar pra lá!

Mas retificando então a sugestão: viagem amigos!!! E pra São Paulo!!!!

Um comentário:

Paula disse...

São Luís é definitivamente uma capital gay!! Nunca vi tantos gays na ilha como encontro hoje, mas infelizmente por causa da hipocrisia de muitos, estamos limitados a um pequeno espaço chamado Praia Grande, mas lá tudo nos é permitido...passeios de mãos dadas, beijos, carinhos...tudo isso sem olhares recriminadores de falsos moralistas. Acho que a Praia Grande é um pedacinho de Sampa dentro de São Luís, que é sim uma capital cosmopolita!!! E quanto a conhecer Sampa, quem sabe...fiquei com vontade!!!