Pular para o conteúdo principal

Livros, por que não lê-los?

Tô muito dessarrumada em relação a livros esses tempos. Justifico dentre muitas razões a falta de uma boa livraria por essa bandas... Jó, minha querida amiga pediu que eu falasse mais de livros.
Fiquei pensando e é engraçado. Há tempos tenho sentido falta de temas como esse aqui. Eu, por exemplo, se fosse visitante do BLOG ia querer dicas sim, mas como estou sem opção de compra e tenho me virado com o que consigo trazer na mochila da minha biblioteca particular e antiga, vou me conformando...
Vou atualizar aqui só pra me obrigar a terminar de ler tudo que tá pela metade em cima da minha cama, ali do ladinho. Nada novo, nem tampouco extraordinário, mas preciso terminar! Me livrar dessas amarras literárias!!!
Já disse aqui que leio vários livros ao mesmo tempo e não termino nunca, não é? Pois na semana passada consegui terminar de ler pela segunda vez "A décima segunda noite" do Veríssimo. Reli pra ver se não tinha me enganado, se não tinha deixado passar alguma coisa importante, já que o Veríssimo é o Veríssimo e ainda é o meu favorito, mas que nada! Não teve jeito. Não gostei!
Consegui dar fim à "A Cidade do Sol" de Khaled Hosseini. Bom.
Terminei também pela segunda vez 'Eu sei que vou te amar" do Jabor. Josi me deu, pois disse que essas loucuras improváveis parecem comigo. Gostei e não gostei. Não sei explicar, mas percebe-se claramente os pensamentos antagônicos entre bicho homem e bicho mulher.
" A menina que roubava livros" está com uma amiga, já que todas as noites, abria e nao tinha saco pra terminar.
"O retrato de Dorian Gray" de Oscar Wilde, já está no finzinho. Recomendo mesmo. Promessa que fiz pra Mamá. Até o Natal termino.
Tô quase terminando "As cinco pessoas que você encontra no céu" de Mith Albom. Nada demais!
"A paixão Segundo G.H. da Clarice é pra quem gosta mesmo... loucura, loucura, loucura. Tô do início pro meio, rsrs
"Paixão emagrece, amor engorda" de Sonia Hirsch, comprei em Congonhas pra esperar o horário do vôo. Achei bacana. Dicas e receitinhas pra viver bem. Terminei no avião!
Trouxe agora: "O Homem mais rico da Babilônia" de George S. Clason por indicação de queridíssima Wilnete Carvalho, pra ver se aprendo a lidar com dinheiro. Não comecei;
Trouxe também "O opositor" do Veríssimo e "As intermitências da morte" do Saramago, que claro não comecei nenhum dos dois.
Para 2009, tenho muitos planos infalíveis de leitura, como ler Gullar e voltar a saborear Pedro Juan Gutierrez, sem falar na promessa que fiz a Kátia de ler algo do PAMUK, que reconheço ser uma falha, mas me perdoem pela falta de tempo e de livros.
Tempos difíceis...
Pra entender mais...
As análises superficiais e sem fundamentos para as obras citadas neste post são pessoais e intransferíveis. O que ainda estou por terminar, assim que conseguir, virão com comentários mais sensatos.
Os que consegui terminar de ler em meio ao tsunami que vivo de março pra cá, estão aí bem fundamentadas, rsrs.
Boa noite!
ócio, viagens e gastronomia

Comentários

Este comentário foi removido pelo autor.
Este comentário foi removido pelo autor.
Olá, Beatrice! Vou aumentar mais a bagunça da sua cabeceira! Minha sugestão é "Comer, Rezar, Amar", de Elizabeth Gilbert (Editora Objetiva). O livro é sensacional, daqueles que não conseguimos desgrudar os olhos. Conta a história, real da autora, que ao se ver em crise no casamento resolve se separar e partir para uma viagem de reflexão, sozinha. Ela passa pela Itália, Índia e Indonésia (onde come, reza e ama) e assume um compromisso sério com sua própria felicidade. Ai, a descrição ficou parecendo de auto-ajuda mas não é! Um abraço!!
Marcelle disse…
Quem bom que está terminando de ler "O Retrato de Dorian Gray"!Tenho certeza que seu lindo rosto reflete sua linda alma. Estou quase terminando de ler "Amor nos tempos do cólera" de Gabriel Garcia Marques e estou adorando, o que é uma surpresa, pois pensei que não fosse gostar devido a minha experiência de leitura com "Cem anos de solidão", do mesmo autor, que achei um saco. "The Kite Runner" será o próximo, pelo menos tentarei (ganhei de presente de Bia e de um certo paulista). bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Raposa, MA - passeio náutico que vale a pena!

Em meio às férias, resolvemos passear de barco pela Raposa, município da área metropolitana da Ilha de São Luís.
O município é pequeno. Grosso modo, deve ter por volta de 35 mil habitantes no máximo.
Tem uma cultura pesqueira muito interessante e também é um polo rendeiro de destaque em São Luís.

A cidade em si, não é muito atraente. São ruas estreitas, com casas, em sua maioria, de madeira, que lembram palafitas, no sentindo mais geral do termo.
Percebe-se a falta de saneamento básico na cidade e uma certa desordem urbana. Basta para isso, percorrer suas ruas para entender do que estou falando. Banheiros improvisados próximos aos mangues e muito lixo acumulado nas ruas e entre as casas é um dos retratos mais gritantes ao darmos uma volta perímetro urbano.

A Raposa surgiu como uma colônia de pescadores, com início na década de 40 do século passado, por pescadores vindos do Ceará e rapidamente tornou-se um reduto cearense, com as mulheres rendeiras desenvolvendo seu trabalho e os pesc…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…