Pular para o conteúdo principal

Os avanços do Turismo no Brasil

Comemora-se hoje (27) o Dia Mundial do Turismo, uma atividade plural, democrática e prazerosa. Viajar faz bem, revigora, enriquece e relaxa. Assim é o Turismo, um segmento que movimenta milhões de pessoas e trilhões de dólares, por ano, ao redor do mundo.

Viagem ao centro da terra, visita à lua, hotel de gelo, restaurante submerso e viagens de experiência são algumas das novas excentricidades proporcionadas por esse fenômeno mundial, que não pensa em parar, pelo contrário, a cada nova estação, tendências se confirmam e outras são inventadas para garantir viajantes e turistas buscando por destinos e boas lembranças.

Mas e no Brasil, como está o Turismo? Bom, nunca estivemos tão bem! Nunca estivemos na crista da onda como agora e no mínimo, é nesse patamar que devemos caminhar para termos resultados positivos a médio e longo prazo.

Temos um Ministério do Turismo (MTur), que nos alicerça e empurra para frente com políticas sérias e empolgantes. Desde que foi criado em 2003 sob o comando de Walfrido dos Mares Guia e depois por Martha Suplicy, o MTur só aumentou seu incentivo à atividade, articulando junto aos bancos federais, por exemplo, 11 bilhões de reais em empréstimos para o setor, aproximou as entidades de classe para parcerias importantes e fixou a marca do Brasil no exterior com o Plano Aquarela. O atual Ministro do Turismo, Luiz Barreto, dando continuidade à políticas de Martha, conseguiu imprimir seu nome definitivamente nos anais da história: conseguiu sancionar a Lei Geral do Turismo no último dia 17/09.

Nada antes desse grande feito pode ser comparado ao que temos agora: uma lei que representa o marco regulatório que faltava ao turismo e o proclama como uma atividade econômica e importante vetor no desenvolvimento do País. Esta lei beneficia os negócios do turismo, beneficia o investidor e beneficia o consumidor. Ela avaliza as relações com os estados e os municípios. A lei também disciplina a prestação dos serviços turísticos, o cadastro, a classificação e a fiscalização. Define a forma de remuneração das agências de turismo e organizadoras de eventos. Propõe o incentivo à promoção de tarifas aeroportuárias, determina o cálculo da receita turística no balanço de pagamentos e estabelece um tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas, proporcionando um ambiente tributário seguro e adequado.

Em meio a todo esse grande salto, temos também o projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados que regulariza a atividade dos agentes de viagens e complementa a Lei Geral do turismo (texto do Projeto de Lei nº 5120). Dessa forma, as agências ficarão isentas de algumas responsabilidades que antes eram compartilhadas com companhias aéreas e operadoras turísticas. Em casos de falências dessas empresas é um bom exemplo.

Outro ponto a ser observado e que destaca o turismo como um segmento importante é o posicionamento dos candidatos às atuais eleições municipais em relação à atividade. As plataformas eleitorais apontam para planos mais enxutos e afinados com o Meio Ambiente, os eventos voltam a configurar como ferramentas de grande capilaridade financeira, a cultura está diretamente associada ao turismo e é bem possível que os próximos Secretários sejam escolhidos por capacidade técnica e não política, dada a importância da pasta.

Há ainda alguns pontos, porém, a se lamentar nessa conjuntura altamente positiva. A redução do número de empresas aéreas comerciais, por exemplo, é um fato a se pensar. Continuamos de um modo geral vítimas da TAM e GOL que dualizam nosso mercado e temos que aceitar as regras impostas por ambas. O sucateamento de alguns aeroportos, os entraves em infra-estrutura básica na maioria das cidades brasileiras como estradas e esgotamento sanitário, mas diante de tantos avanços, precisamos primeiro degustar os últimos acontecimentos para depois voltarmos a brigar de novo por essas fatias, que, diga-se de passagem, são enormes.

O Dia Mundial do Turismo deve ser comemorado com ações conjuntas entre todos os atores e também com muita cautela, pois devemos ficar atentos às promessas feitas agora, para que não fiquem somente no discurso. Vamos exigir mais compromisso com o setor e cobrar resultados para que definitivamente tenhamos orgulho do nosso País.

E viva o Dia Mundial do Turismo!!!

Comentários

Anônimo disse…
Beatrice, Parabéns pelo blog. Muito interessante.Muito informativo e instrutivo.

Um abraço,

F.Carvalho
www.fcarvalho.com.br
Darcilda disse…
Parabéns minha teacher linda, pela reportagem, teu Blog é td de bom, acreditas q eu na minha correria ando totalmente desatualizada, tô fazendo novo plano de vida pra 2009pra ñ continuar tão á-toa. Eu lá sabia q a Marta Suplicy tinha deixado o Ministério, aliás "deixou" ou "tiraram" depois me avisa, que tinha sancionado nova lei no dia 17/09, nem me toquei q dia 27 foi dia do Turismólogo!!! mas, qdo quero ficar por dentro sem mto esforço vou direto ao blog da BIa, v se mantem atualizado hem??? hehehe. te amo muitão. bjos

Postagens mais visitadas deste blog

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,