Pular para o conteúdo principal

Ideologia FREEGAN

Lendo esta semana a revista TRIP do mês de abril (que embora masculina, foi a única que consegui emprestada com meu vizinho parnaibano!), me deparei com uma matéria no mínimo intrigante: sobre o freeganismo! Você já tinha ouvido falar? Pois é, nem eu!!!
FREEGAN é o termo utilizado para denominar pessoas que buscam formas de sobreviver burlando ao máximo o sistema capitalista evitando o consumo em excesso. Não é o máximo? Digo pela sistematização das coisas. Quer dizer que depois do Comunismo, temos agora a ideologia Freegan, rs? Achei sui generis o termo e o escopo da ideologia. No Brasil, só há indícios oficiais na República Feredativa de São Paulo, é claro!!! Um dos grupos, denominado Ativismo ABC reune-se todas as sextas-feiras para conseguir alimentos gratuitos nas feiras. É isso mesmo. Nada de catar comida por que tá precisando ou não tem dinheiro. É por IDEOLOGIA sim!!! Esse mesmo grupo não dá entrevista, não fala do assunto para não dar dinheiro a nenhum capitalista, rs, mas vive assim, de comida conseguida de graça.
Considero a maturidade dos tempos, sabiam? Só mesmo no mundo de hoje tantas ideologias tem tanto espaço. Achei bacaníssimo saber que tem gente se rebelando contra coisas que passam despercebidas. De acordo com a FAO (Food and agriculture organization), entidade da ONU, em 2006, 26 milhões de toneladas de alimentos foram jogadas no lixo, o que daria para alimentar 35 milhões de brasileiros/mês. Não é incrível?
Já sabiam disso minhas queridas Darcilda e Nília quando escreveram há 01 ano seu trabalho monográfico orientado por mim sobre o desperdício alimentar específico da hotelaria, que por si só é uma vergonha humanitária, imaginem pensar nesse número aí de cima...
Após ler a matéria, lembrei imediatamente do filme ESTAMIRA, onde nossa protagonista em um dos seus inúmeros delírios, afirma assertivamente: "no lixo há muito lixo, mas também muitos deslizes"...
Em Nova York já tem (em maior quantidade). Na França tá virando moda.
Numa primeira passada de vista a ideologia me intrigou, mas como tem gente pra tudo e pra todos nessa vida, vou pensar um pouco mais!
Até que tô me sentindo meio freeganista nesses tempos difíceis. Livrei-me dos celulares, do excesso de potes de cremes (que o namorado reclama!), de tudo em grandes quantidades e tô me sentindo desprendida das coisas. Também, uma hora tô aqui e outra hora tô acolá...

Até a próxima meu povo!

obs: Matéria Revita Trip, abril 2008. Texto: Caio Ferretti

Comentários

Raynna Beatriz disse…
Opa Beatrice
Boa, muito boa essa postagem.
Uma ideia que a Lilia deu é a de adotar a filosofia do Zé Comeia:
"necessário, somente o necessário..."
abraço.
Darcilda disse…
Oh Bia! q reportagem maravilhosa, apesar de ter lido muito sobre desperdício, também não conhecia o termo "freeganismo", (achei bonitinho), rsrs, prometo q vou me aprofundar no assunto.
Fiquei lisonjeada de vc citar a nossa mono no seu comentário, e apesar da nossa ONG ainda ser só projeto, procuro no cotidiano do Cantinho da Estrela, colocar em prática tudo o que pesquisamos sobre: O Compromisso do Setor Turístico com o Combate ao Desperdício de Alimentos na Rede Hoteleira, agora também na rede de restaurantes.
Te amo muitão.

Postagens mais visitadas deste blog

Óleo composto de soja e oliva. Não caia nessa!

Esses óleos compostos que tanto enganam os comensais espalhados por ai foram feitos para cozer, não para derramar em cima do prato pronto! Foram criados como uma alternativa para quem está com o orçamento apertado ou não tem costume de cozinhar com azeite de oliva.  Para um prato refogado, por exemplo, fica muito saboroso. O problema é que pelo fato de ser mais barato, os donos de alguns restaurantes de segunda, terceira, quarta e quinta categoria substituem o tradicional azeite por esse composto e a turma desavisada, derrama com gosto em cima do prato. Uma maldade! Vejo o povo jogando em cima da salada, sendo que em todos os compostos, 95%  é de óleo de soja e apenas 5% é de azeite (não extra-virgem!). Esperteza do restaurante que ganha por um produto de qualidade inferior e lerdeza do consumidor que não lê o que está consumindo. O consumo de azeite no país tem crescido assustadoramente, à proporção que  a gastronomia ganhou status de ciência e o poder aquisitivo da população melhorou.  De…

Patinhas de caranguejo ao molho vinagrete

O vinagrete do jeito que eu gosto...

Ingredientes
1Kg de patinha de caranguejo (de preferência do Maranhão, hehe) 2 tomates maduros 1 cebola 1 pimentão verde (que pode ser o da sua preferência) 1 maço de cheiro verde (se você preferir) ou apenas cebolinha 2 limões Sal Azeite para temperar
Modo de preparar
Afervente as patinhas em água com umas pitadinhas de sal. Veja bem, aferventar não é ferver. Basta abrir fervura e elas começarem a ficar cor de rosa, é pra tirar do fogo. Reserve e deixe esfriar. Se ficarem muito tempo no fogo elas ficam duras e na verdade elas devem ficar macias. Após lavar os legumes, corte em pedaços uniformes e bem pequenos, assim como o tomate (que é uma fruta). Para mim, quanto menor, melhor. Misture todos os legumes cortadinhos num bowl, tempere com o suco do limão, sal e bastante azeite. Acrescente um pouco de água filtrada para dar um pouco mais de molho ao vinagrete. Arrume as patinhas num refratário deixando-as com o "cabinho" pra cima. Dessa forma fica mais f…

Extrato de tomate congelado. Pode sim!

Taí que eu não sabia que podia congelar extrato de tomate, acreditam? Perdi a conta das vezes em que deixei de fazer alguma coisinha porque teria que abrir a lata de extrato de tomate, usar uma colher de sopa e guardar [e estragar] o resto. Para minimizar os prejuízos, não só financeiros, mas de consciência também, passei a comprar aquela latinha "elefante" bem pititica. Mas ainda assim estragava metade... Agora, descobri com nossa consultora Andréa, que podemos usar o que vamos precisar e congelar o resto. Será que só eu não sabia disso? Ai que horror! Acho que dá pra fazer assim: abrir a latinha e já separar umas porções para congelar, como está mostrado na foto acima. Mas Andréa lembra: não é bom deixar muito enrugadinha porque quando você for usar, pode ser que o plástico fique difícil de tirar. Melhor deixar assim mais lisinho.
Agora vai lá fazer um macarrão e contra aqui pra gente como ficou, tá?
Inté,