terça-feira, 18 de março de 2008

Para Dani, a hora é essa!!!

Dani!!!!
Ao ler seus comentários, lembrei de você tempos atrás assistindo minhas aulas e falando que queria ser igualzinha a mim... quanto tempo passou né??? Pois é, pára com isso! Você já é grande, fantástica, tem opiniões fortes e bem conceituada no mercado... tenho orgulho de você sim e torço sempre para que você esteja muito melhor e assim dignificar ainda mais nosso grupo e nossa profissão.
Obrigada por tudo e apareça sempre por aqui pra dar suas opiniões...
Um super beijo e até mais!

Respostas aos comentários

Obrigada meu povo pelos maravilhosos e engraçados comentários sobre os últimos textos!!!
Quero é saber o nome da minha amiguinha da cocada... por favor gente, uma força aí...!!!!!

Respondendo minha queridíssima Dani:
- E não é que não seguraram meus livros mesmo??? Mas as aventuras nos ônibus eu conto ainda esta semana aqui... tem cada uma, que vcs não vão acreditar...

Respondendo Milena:
- obrigada meu bem pelas palavras lindas...adoro vc também e tudo pelo sarnambi!!!

E Mamá:
- sem problema, 95% do povo que consultei não sabe mesmo o que é sarnambi!!! Mas neste final de semana, tem mais lá no restaurante!!!

sábado, 15 de março de 2008

Manifesto pelo Sarnambi!

Venho do interior. Não nasci no interior, é verdade. Nasci na capital, mas agradeço sempre por ter minhas raízes fincadas lá até hoje. Conheço muita gente que teria vergonha de falar isso ou que sequer gosta daqueles ares, mas foi essa vivência que me fez conhecer as coisas mais bacanas do cotidiano maranhense como por exemplo, saborear um bom e suculento sarnambi!!!!

Hoje, no Restaurante da minha mãe, tinha sarnambi pra vender. Um sarnambi fresquinho, que veio com todo carinho da minha "metrópole" preferida: Humberto de Campos (HC).

- Temos também sarnambi, que não está no cardápio. - Afirmou nossa aprendiz de garçonete.

- Temos o quê???? Sarnambi? O que é isso? - Perguntou um "freguês".

Em outro momento:

- Podes trazer um pouquinho pra eu ver se gosto? - Disse uma senhora com um laçarote na cabeça.

- Vem de onde isso? - Perguntou um curioso.

- É peixe??? - Titubeou um super entendido de mariscos...

Após essas perguntas e de observar que nosso sarnambi não saía da panela, pensei: Meu Deus, o que será que tá acontecendo com nossa culinária? As pessoas não conhecem sequer o que tem no Maranhão! Será que só o povo de Humberto de Campos come essa iguaria? Os de Primeira Cruz também... eu acho!

Sarnambi é irmão do sururu. Primo da ostra. Cunhado da tarioba e amigo do mexilhão. Come-se muito em cidades litorâneas. Em HC, já participei de vários banquetes em que ele era a estrela.

É um pouquinho menor que o sururu, mais clarinho, mais gordinho e com menos acúmulo de areia. Precisa-se lavar muito também, mas é mais fácil de fazer que o seu irmão famoso. Em relação a temperos, faz-se igualmente aos outros mariscos, mas o sabor é muito peculiar.

Lamento pelos paulistas, paulistanos, cuiabanos, cariocas e outros que não apreciam um bom cheiro verde, mas marisco tem que levar muito cheiro verde pra ficar com cara de nordeste e cara de Maranhão!

É uma pena que esteja se perdendo o hábito dessa iguaria. Penso que pela pesca indiscriminada, já não é tão acessível, pelo preço relativamente baixo, diminui-se a importância no cardápio maranhense.

Lamento também a intromissão de outros atores em nossa culinária, como creme de leite e cenoura em nossa peixada (sem falar dos outros), mas o hábito de se comer sarnambi não pode desaparecer não!!! Protesto!!!!

Vou postar uma foto bacaninha aqui em breve para que você, que não conhece, possa saborear com os olhos e assim, minha missão se cumprir em parte, rsrsrs.

E não é que procurando na internet não consigo achar nada parecido com o nosso sarnambi??? Será que tô falando de mais um patrimônio imaterial do Maranhão? Será?

Bom, fica aqui a dica pra todo mundo.

A senhora de laçarote gostou. Repetiu.

O "freguês" também gostou.

O entendido de mariscos não gostou muito não, mas afinal, tem gente que não gosta de brigadeiro (vai entender!)!!

Eu almocei um pratão. Lá no restaurante, obriguei quem tava lá a comer (pressão pelo manifesto em prol do sarnambi) e parece que conseguimos vender um pouquinho...
Semana que vem, tem de novo.
Entendo que nosso Estado é imenso e que é impossível mapear tudo, ter acesso a tudo, mas fiquei um pouco revoltada com esse povo que não conhece o que se come no próprio Estado!

Tô mandando pra minha sogrinha em São Paulo um quilo junto com as outras iguarias daqui. Acho que vou mandar uma receitinha também, né? Rsrsrs.

E viva o sarnambi!!!


bjs e até mais.

quarta-feira, 12 de março de 2008

Santo Antônio, São João, São Pedro e São Marçal

Passando pela Rua Grande hoje escutei umas matracas... De repente me senti em junho e senti um cheiro de bombinha no ar... As festas juninas estão chegando e as comunidades devem estar em meio aos preparativos... Ai, que vontade de chegar logo...

"você é carinhosa, mas é falsa por isso é que eu já vou embora"... (Bumba meu boi da Floresta)

bjs e até mais,

BR!!!!

Gente, não é por nada não, mas essa sigla me diz muita coisa. BR de Brasil, de BR 135, de branco, de bronca, de brigadeiro, bracelete e de ônibus lotado!!!
Hoje, resolvi tomar um ônibus e usufruir da "excelente" infra estrutura urbana de São Luís. Afinal, nosso prefeito fez uma das obras mais marcantes das últimas gestões: os Terminais de Integração. A proposta é boa, não? Terminais que integram várias linhas, fazendo com que nós, pobres mortais, paguemos somente uma passagem e assim, rodemos o dia todinhooooo, só entrando e saindo de terminal... achei fantástico isso... até ter que usar um as 18h em ponto. Bem na hora da Ave-maria da vovó!
Chegando no terminal da Cohama, descobri que para a Cohab, só existem duas opções, ou seja, diante de mais de 10 plataformas, pra Cohab, logo pra cohab, só pode ser ou "BR" ou " jardim das margaridas".
- Mas tudo bem, pelo menos tenho duas chances.
Só fui dar por mim o que essas duas chances representavam quando vi a fisionomia da senhora que me deu a informação. Foi mais ou menos assim: pra Cohab??????!!!!!! É...tem que ser BR, agora dá uma olhada na fila!!! Eis que virei e fui tomada por um desespero impossível de descrever aqui. Desculpem. Eu gostaria sim de ter tirado uma foto do tamanho da minha decepção e da fila, mas fiquei completamente sem ação!
Primeiro que não sabia deste tal ônibus "BR", segundo que a fila tava tão grande, mas tão grande que fiquei na porta do banheiro*(até deu vontade de entrar pra fazer um xixi) e terceiro que deu tempo de ficar amiga da senhora que vende cocada, pois além da fila pra lá de quilométrica, o tal "BR" demora, mas demora...
A senhora da cocada já nem ligando pro movimento, me explicou que é um dos ônibus mais cheios de São Luís pois passa em todos os terminais; que teve uma batida hoje no começo da tarde lá dentro e que era pra eu tomar cuidado com a mochila.
- Ai Deus, queria me teletransportar, pensava a todo momento!!!!
Como sou conversadeira mesmo, resolvi saber das últimas do terminal com minha nova companheira; comprei uma água pra mim e outra pra ela; olhei um conhecido em um dos ônibus que passou por lá, vi gente batendo boca e o tal do "BR" nada de chegar.
Na rua desde as 8h, meu salto incomodava, minha mochila pesava, meus livros marcavam meus braços e então resolvi comprar uma cocada, afinal, tenho que ajudar minha companheira!!!
E lá vem o tal "BR". A esta altura, eu já tinha dado uns passinhos pra frente e claro, minha companheira me acompanhou...(olha o pleonasmo!)
- Vem cá, o ônibus já saiu? - Sequer saí do lugar... Ah, não, vou já brigar, tem gente furando fila aêeee!!!
Passam mais 20 min e nada de um "jardim das margaridas". Ôpa, lá vem outro BR...
É gente, passaram-se 45 min e o tal "BR" é sim, um dos ônibus mais cheios de São Luís. Acho que só perde pro velho campus as 13 e as 18h... (As aventuras dentro de ônibus vem em outro post)
Um terminal de integração que só tem duas opções pra um dos bairros mais populosos da llha me pareceu meio absurdo, o tempo de espera para tal condução pareceu-me desrespeitoso e a cocada tenho certeza que tava ruim!!!
Saí numa correria tão grande pra pegar o tal "BR" que esqueci de perguntar o nome da minha nova amiga. Se alguem usa aquele terminal, por favor, descubram o nome delaaaa...
Êêêêê São Luís...

Bjs e até a próxima,

*fica no início do terminal e a plataforma do BR é lá no final...

domingo, 2 de março de 2008

A hora é essa!


Gente viajando de um lado pro outro lotando meios de transportes, espalhando-se por restaurantes, museus, praças, praias, hotéis e pousadas. Todos experimentando as delícias de novas culturas, conhecendo novos sabores, novos cheiros, novas gentes, ampliando horizontes com tanta arte e diversidade. Toda essa profusão de acontecimentos entende-se como Turismo, um fenômeno plural, complexo e prazeroso. Vendo assim, por esse prisma, a atividade é sim, essa efervescência de fatos e desejos, embora tenhamos muitas reflexões e críticas a fazer quando se pensa nele como uma atividade social ou na interdisciplinaridade das academias.
Hoje é o Dia Nacional do Turismo e temos sim, muito a comemorar. As praias desertas da Ilha dos Lençóis, a culinária exótica da baixada maranhense, o pulsar dos tambores na Ilha de Upaon-Açú, o toque de caixas do nosso tambor de Mina, o som envolvente dos nossos blocos tradicionais, a diversidade entre chapadas, dunas e mangues, sem falarmos do nosso modo de falar único. Dá pra imaginar um Estado com tanta diversidade e ainda com a fama de ser hospitaleiro? Não é pra comemorar?
Desde que adentrei no mundo do Turismo em 1997, muita coisa mudou. São Luís não é mais a mesma!
Agora tem vida noturna, tem jornal especializado em turismo, tem briga por vagas, tem flats, tem graduação e pós graduação específicas, tem centro de convenções, tem restaurantes grandes com adegas, franchisings de cafeterias, hamburguerias, mc’donalds, agências de receptivo, charutarias, mini olaiotecas e até Secretaria de Turismo (municipal e estadual!!!)!
Não imaginava tamanha mudança em tão pouco tempo.
Pois sim, temos que comemorar não só nossas potencialidades embora pouco aproveitadas para esse fim, mas principalmente nossa resistência enquanto turismólogos, nossa luta por reconhecimento e principalmente o amor que temos à profissão e ao Maranhão. A inércia observada por mim na maioria dos alunos, Turismólogos e profissionais da área, não deve mais persistir como uma desculpa para nosso velho slogan: “Maranhão, o segredo do Brasil”.
Quem está chegando agora ou ainda não despertou para o perfil do profissional que o mercado espera, deveria aproveitar esse domingão para refletir um pouco mais sobre essas mudanças, sobre o seu papel no processo e começar a interagir como um sujeito atuante.
Não dá pra ficar esperando o vizinho, o colega ou quem quer que seja fazer a parte dele enquanto você não faz a sua. Não convém cobrar do governo ou das faculdades, se você não propõe ou não faz nada para liderar o processo. Foi-se o tempo da revolução silenciosa preconizada por Caio Luiz de Carvalho. Agora é a hora de fazer barulho, de levantar, fazer acontecer pra poder ver o resultado o mais rápido possível. Afinal, não temos tempo a perder!
Vamos comemorar o Dia Nacional do Turismo assim: repensando as nossas atitudes enquanto turismólogos, alunos e profissionias e desenvolvendo armas que nos levem ao reconhecimento que tanto queremos. Nada de ficar olhando a banda passar. Vamos lá, pegue seu instrumento e junte-se a nós. Desta forma, poderemos levar o nome do Maranhão a todos os ouvidos e lugares e aí sim, poderemos gritar ao mundo: “Maranhão, uma grande descoberta”.
Bom domingão. (Que não seja o do Faustão, rsrsrs!)
Até mais,