quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Lá na Raposa...


Viajar tem dessas coisas... passeando como quem não quer nada pelos arredores de São Luís, achei essa placa inusitada... Já ouvi tanto por aí que falamos e escrevemos o melhor português do Brasil... mas vejam essa....

Lembrei-me do dialeto usado na internet... tomara que daqui ha alguns anos eu não tenha que passar por uma placa e ler: "krus klientes: vc q paxa p aki, vja o q temus.... "


Bati e perguntei os preços: não tinha óleo de copaíba... a garrafada do "certão" tava em falta e o mel tava caro!!!! Deixa pra próxima...

Até mais,

domingo, 7 de outubro de 2007

Terra de Preto é logo ali...


Pega ônibus, desce de ônibus, pára pra fotos, grita nome a nome do grupo, organiza sub-grupos, sobe em Ferry Boat, toma café em movimento, desce de Ferry Boat, vai ao banheiro, sobe em ônibus, vai em pé, empurra daqui, é empurrado dali, o tempo passa e nada de chegar...
Alguém grita da frente “Ramal do pote chegou”. Arruma mochila, pede licença, briga de novo, confere gente, salta do ônibus, coloca mochila em toyota e começa andar...
Tira foto, coloca conversa em dia, chama galera, grita palavras de ordem e escuta caixeiras tocando e pedindo jóias... Caminhando e cantando...
Faz acomodação, meninos ali, meninas aqui, bons de cerva no corredor pra não atrapalhar ninguém, comida na cozinha e D.Maria toma conta, Bar ao lado, Igreja também...

Equipe do 6º conversa com preto ali, outra equipe do 6º conversa acolá, eu tomo um cervejinha pra esfriar, alunos descobrem o que é viajar...

Graça dar o ar de sua graça, Lacerda fala da tia doida, Cesar conhece sua turma, Winayara sorri e Fernandinha observa...

Eleana tira foto, Cristiano e Luiza cochicham, Nilton e Solange dançam, Suzane acha tudo uma loucura... Saúde!!!

Os tambores esquentam, a comunidade se reúne, alunos curiosos se amontoam, batom vermelho pra coreira, blusa de chita pra tocador. Eu e Graça pura emoção...

Pensa que é pouco? Ainda tem reggae de responsa no bar do Velho. Aumenta o som, dança colado, rodopia pra cá, faz um zigue-zague pra lá e desce cerveja. Gargalhadas...

Tem desfile de pijama e quem mal fala se revelou e quem fala muito se calou...

Acorda meu povo, que é dia de branco!!!!

A cerveja passa de R$ 2,50 para R$ 2,75, cremosinho que em São Luís é R$0,25 aqui é R$0,75, o tambor não cobrava nada, mas cobrou, o povo que não sabia o que era negritude descobriu, quem estava estressado relaxou, quem tem menino em casa voltou, quem gostou da experiência ficou.

Sr. Velho agradeceu, o centro de cerâmica gostou, a comunidade aprovou e o tempo findou! Vamos lá meu povo, hora de desarmar barraco: arruma tudo, recolhe lixo, faz vaquinha, acabou a água, tira foto, varre quarto, procura sapato, olha a ressaca que lá vem a estrada.

Sobe em toyota, canta, grita, faz chamada e dá partida.

Divide em grupos, esconde dois e aparece um. O tempo passa, mas lá vem o ônibus. Chama o povo, conversa com motorista e empurra mais um.

Fica em pé, tira mochila, aperta um pouco que dá todo mundo. Cuidado com meu chapéu!

Tem escritor dentro do ônibus, tem papo bom, mas vontade de chegar em casa.

Desceu de novo, compra camarão, toma água de novo e vê o movimento da baixada maranhense num domingo. Tem gente, guará e pôr do sol.

Chega em casa, toma banho e dorme!!!!

Itamatatiua, Alcântara, Ma - dias 29 e 30 de setembro de 2007.